Eva diz o que sonha (e não só) sem alinhamento a políticas ou crenças conformes às instituições que conhecemos. Momentos de leveza, felicidade ou inspiração para melhorar cada dia com bons pensamentos. Um texto, uma imagem... para todas as idades

. posts recentes

. Nunca é tarde

. Onde estar? Onde ser?

. Ninguém é tanto nem tão p...

. Solidão, Solidariedade

. Tempos de solidão

. Solidão

. Cristianismo é...

. Afinidades

. Que bom é...

. O Natal que

. Velhice

. Compras e consultas

. Às vezes

. Paralelo Inacabado IX

. SER

. Cumprimentos

. A solidão

. O ruído e o som

. Porquê

. Um bonito e grande amor p...

. arquivos

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. links


Quarta-feira, 24 de Outubro de 2012

Nunca é tarde

- i, ai, ai!

- Que foi?

- Foi - que vou embora!

- P’ra onde, pode saber-se?

- Vou embora e pronto, ora!

- Ok…

- Só isso?

- Não disseste que ias embora e - pronto?!

- Sim, sim, mas esperava alguma coisa mais, como por exemplo: que não conseguias viver sem mim… sei lá… algo assim.

- Ah! Como nos filmes e novelas?

- Pois… talvez, sei lá!

- Bom, não sabes lá muito, não! Aconselho a que olhes bem à tua volta e entendas todo o bem que tens. Tens casa, roupa e cama lavada, comida fresca na mesa, tudo limpo à tua volta…

- Mas estou só… sem conversas… sem ninguém para falar de…

- Mas do quê queres tu falar agora, se nunca diriges a palavra a ninguém durante as visitas que tens, e que vão sendo cada vez mais distantes, lá isso…

- Vês…?! É mesmo disso que falo.

- Mas tu é que forçaste a esse isolamento. Todos se quiseram aproximar, convidaram para jogares, conversares, que sei eu mais o quê…!

- Eu não gostei de nada, apenas queria estar só. Essas conversas não me interessavam.

- Olha, sabes que mais?! Temos que conseguir entender os outros, as suas preocupações, fraquezas e boas intenções. Dessa compreensão nasce harmonia, companhia e carinho, dedicação ao próximo…

- Será, será!

- Mas não será tarde para tentares agora tu aproximares-te dos outros…


publicado por eva às 00:31

link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 16 de Maio de 2012

Onde estar? Onde ser?

olidão, multidão

Quem gosta de qual?

Quem sente bem-estar no quê?

Isolamento de si

Sociabilidade de si

Onde estar?

Onde ser?

Se tudo o que somos

É o que temos em nós…


publicado por eva às 00:30

link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 9 de Setembro de 2011

Ninguém é tanto nem tão pouco

ve, salve, bom dia, boas…

Como está? Que diz?

Estão todos bem? ‘Tá-se bem? Oi… humm?

São tudo modos de cumprimentar, mais antigos, mais delicados, mais snobs ou mais saloios.

O que importa é a intenção que os move – cumprimento, sociabilização com o próximo.

Viver em sociedade, grupo ou família é sobreviver entre outros, sem isolamento.

Solidão? Solidão é outra…

Solidão tem a ver com isolamento íntimo, não com isolamento social.

Pode haver solidão de um no meio da multidão.

Quem sente solidão deve tentar entender o porquê dessa sensação.

Se é por supremacia, vontade de poder, de querer sentir-se glorificado dentre os outros. Ou, pelo contrário, solidão de pensar ser de somenos que os outros.

Ninguém é tanto nem tão pouco.

Somos todos seres em evolução e é bom ter a noção correcta do nível evolutivo que temos, assim como frutificarmo-nos usando esse conhecimento para nosso bem e expandir para o bem doutrem.


publicado por eva às 20:08

link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

Sábado, 3 de Setembro de 2011

Solidão, Solidariedade

- á viste que solidão e solidariedade começam pelas mesmas letras?

- E depois?

- E depois, na realidade a solidão é uma faceta mental.

- Essa é boa!

- Pois é, porque ninguém está sozinho, mesmo que pareça, mesmo que não veja nem perceba ninguém.

- Lembras-te de dizer cada coisa!

- É isto que te digo – ninguém está sozinho!

- Explica como é que não está só quem não tem ninguém ao pé de si, ou quem se sente sozinho entre a multidão, como dizia o poeta?

- É o que te digo – ninguém está sozinho! Nós somos energia, tudo à nossa volta é energia, umas energias têm formas que percebemos, outras não.

- Ah! Então estamos acompanhados de energias…

- Menos ou mais sublimadas, menos ou mais benéficas, menos ou mais perceptíveis.

- Olha, vou indo, que essas tuas teorias são tuas e não minhas.

- Ledo engano, estas teorias não são nem minhas nem tuas nem de ninguém. Mas existem mesmo assim, quer as queiras ignorar ou entender.

- Já fui embora!

- Adeus! Ou seja, até logo!


publicado por eva às 16:14

link do post | comentar | favorito

Sábado, 25 de Junho de 2011

Tempos de solidão

- ou eu! Estás sozinho? Sentes-te bem? Vamos pois!

Vamos ao jardim e andar um pouco a pé. Faz desentorpecer as pernas.

Leva gabardina porque pode chover.

Há muito tempo que não saíamos os dois a passear, não é?

O tempo já não corre, voa!

E confesso que tenho saudades da nossa meninice, em que íamos os dois, irmãos vestidos de igual, para a escola.

Ainda era longe, mas encontrávamos tanta gente conhecida que parecia um instantinho.

Agora todos estão em suas casas ou vão de carro com os vidros e portas fechados.

Incrível como a segurança é tão insegura.

Ora cá estamos no cafezinho da esquina e…

Já?... Vamos, está bem. Vamos voltar.

Foi bom o passeio? Foi cansativo? Isso é porque deixaste de caminhar e agora cansas mais depressa.

Tudo requer exercício, senão paralisa-se.

É assim com tudo. Toca a exercitar o que é bom e gratificante para a saúde e pode ser que nunca falte.

Fico, fico contigo a ler-te um livro o resto da tarde.

 


publicado por eva às 18:48

link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 31 de Maio de 2011

Solidão

- inguém está sozinho!

- Pois eu sinto-me só.

- É impressão! Sensação de estar separado dos demais ou por depressão ou por diferença de ideologias.

- Hã?

- Sim, é bom aceitar a vida qual ela se apresenta.

- Hã?

- Devemos lutar pelo melhor que podemos fazer, estudar e melhorar nossa vida.

- Sim, com certeza.

- A solidão é apenas ilusão.

- Hã? Não é não. Estou sozinho aqui porque o carro avariou e não consigo encontrar ajuda.

- Ah! Já podia ter dito que era essa solidão.

- Hã?

- Evitaria tanto discurso.

- Ah! Isso sim. Poderia ter logo ajudado e telefonar para um reboque ou oficina directamente. Mas, pronto, gosta de falar, de dizer coisas constantemente não é?

- Pois é, é. Sabe porquê?

- Para eu mesmo não sentir a solidão?

- Ah! Sim, sim. Tal e qual!



publicado por eva às 13:03

link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 28 de Julho de 2010

Cristianismo é...

ra aqui está o bolo de aniversário com as velinhas todas.

Felizes os que têm fome e comida para comer. É bom sinal, é sinal que está tudo bem. Sabe-se de tanta gente que passa fome na solidão, e desolação, de suas casas, quando têm casa…

Sabe-se de tanta pobreza que não aparece, mais aquela que aparece nas notícias. Mais as notícias de crimes e horrores…

Ao nosso lado, ou lá longe, parece que já não deveria haver este tipo de situações no 3º milénio conhecido da humanidade cristã.

Cristianismo, como é óbvio, é mais lato que o catolicismo ou outra religião, ou corrente cristã.

Quantos cristãos há então? Porque cristianismo é seguir, ou continuar, em si próprio os ensinamentos e a prática destes, a exemplo de Jesus, o Cristo.

Onde estarão todos os cristãos que deveriam existir, pelo menos aqueles que se contam pelas religiões cristãs?

- São muitos?

 


publicado por eva às 00:32

link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 18 de Maio de 2010

Afinidades

iz-me com quem andas e dir-te-ei quem és!

- É um ditado muito velho e verdadeiro até certo ponto. Ou seja, os grupos que acompanhamos, ou que nos acompanham, acabam por nos identificar perante uma sociedade instituída.

- Não é só isso. Mentalmente também há afinidades, ou seja, pensam todos de modo semelhante e fazem, ou têm, atitudes igualmente semelhantes.

- Isso não é bem assim, porque em grupo pensam e agem de um modo que, sozinhos, nem tentam e muitas vezes nem sequer tal lhes ocorre.

- Parece que há como que uma nuvem de comportamento que os envolve quando se juntam e que se desfaz quando não estão juntos.

- Talvez seja por isso que tentam estar juntos a maior parte do tempo.

- Talvez. Na realidade os outros acabam por formar uma ideia igual de todos eles, estejam junto ou separados.

- De qualquer modo, todos se inter-influenciam. Mas, muitos estão lá por terem medo de estar sozinhos.

- Medo? Ou por não gostarem, simplesmente?

- Tanto faz, porque a razão é a mesma – o desconforto de estar só.

- Que pena, porque na solidão crescemos em nós mesmos e é em solidão que alcançamos, primeiramente, a paz íntima!

- No entanto, nos grupos há sempre quem mal e quem bem influencie os outros. É necessário estar muito atento para não pensar, ou fazer, em conformidade com o grupo, aquilo que não temos afinidade para fazer quando estamos sozinhos, como indivíduos.

- Evidente que o grupo não pode ser a desculpa, mas falar é muito mais fácil que conseguir chegar aí.

 


publicado por eva às 00:34

link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

Segunda-feira, 26 de Abril de 2010

Que bom é...

ue bom é ter companhia! Às vezes a solidão é atroz…

Assim a noite não é tão escura, nem o dia é tão longo.

Passo muito tempo sentado, vendo pelas janelas os outros de um lado para o outro… a vida a pulsar lá fora.

Que bom que estás aqui, que vens adormecer para o meu colo e me aqueces.

Que bom sentir o teu pêlo sedoso nas minhas mãos.

Que bom sentir que sou útil, que gostas que te faça festinhas, que te dê aquela comida que tanto gostas de lamber nos bigodes, mas que a mim cheira tão esquisito.

Que bom é sentir uma companhia que partilhe a minha casa, os meus momentos.

Que bom é falar contigo e apesar de não me responderes com palavras, acho que consigo perceber as tuas respostas de gato conhecedor dos assuntos que te falo.

Que bom é sentir este relacionar de vidas, este pulsar de vivências.

Que bom é ter uma companhia, preocuparmo-nos por outrem que não o próprio. Que bom é este doar de nós mesmos.

Que importa se não és pessoa. Essas não têm tempo para um velho como eu que já não tem capacidade para trabalhar, ou ser útil aos outros.

Que bom é olhar para os teus olhos meigos que nada pedem e que bom é deixares-te estar ao pé de mim.

Que bom é sentir a tua calma tão semelhante à minha quietude, por não me poder mexer como dantes.

Que bom é sentir que não empato o teu dia mas, pelo contrário, te ajudo a desfrutar as horas. Se calhar tanto como tu a mim.

Que bom partilhar sentimentos e emoções outra vez.

Sinto-me vivo, mas doutro modo, e vivo novamente para a vida!

 


publicado por eva às 00:37

link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito

Segunda-feira, 14 de Dezembro de 2009

O Natal que

Natal e compras, ou comprinhas…
Depende da bolsa, depende da vontade e da proximidade dos entes familiares.
O Natal que tanto pode ser dia de amargura e tristeza, de solidão ou de festa e das caras alegres de crianças.
O Natal que se vai preparando com alguma antecedência ou que não se prepara e se ignora na igualdade dos dias, que apenas são para se passar passando, arrastando nas horas…
Há dias chegou-me um mail que mostrava adultos e crianças dormitando em plena rua, em ambiente de guerra-guerrilha, e a legenda dizia que enquanto alguns dormiam em camas quentes outros poderiam desejar não acordar da poeira da rua.
As desigualdades são maiores ou menores a cada ano?
Que fazemos, individualmente, para que todos melhorem?
- Eu, como não sei que fazer, rezo. Rezo por todos esses e rezo todos os dias e, até, a cada vez que vejo algum mais desfavorecido.
- Mas, muitas vezes foram eles mesmos que procuraram esse tipo de vida e não querem ser ajudados.
- Todos queremos ser ajudados, a questão é que por vezes o estado presente já escondeu, bem fundo, a esperança da felicidade e a negação de ajuda é a defesa que se encontra para não cair ainda mais fundo. Porque muitas vezes foi através de uma pretensa ajuda que se ficou sem nada. Nada de nada!
- Isso é idealismo e ficção! Cada um tem o que escolhe…
- Cada um tem o que pode ter e, por vezes, já não tem fôlego para a esperança, apenas para reunir forças e viver o seu dia-a-dia, noite-a-noite, e estas são cada vez mais longas.
- E que dizes dos que deixam tudo, casa, família, filhos… por vício, por um ideal…
- E filhos e netos que já não conhecerão de perto… Digo-te que são escolhas que fazem, por vezes, na melhor das intenções.
- Na melhor das intenções para eles!
- Continua a ser uma escolha por boa intenção e o resultado é-lhe reservado e aos familiares que o acompanham. As melhores escolhas podem ter resultados horríveis ou maravilhosos, no presente ou no futuro.
- Ou seja, tudo é possível de ser justificado por boas intenções!
- Ou seja, não devemos acusar e, quando julgarmos, seja algo e não alguém. E se for alguém que seja o próprio e não o alheio.

.
.

.
Salvador Dali - O infindável enigma
Imagem retirada da net

.
.

Disse Sydney J. Harris: Um idealista acredita que o curto prazo não conta. Um cínico acredita que o longo prazo não importa. Um realista acredita que aquilo que se faz ou deixa de fazer no curto prazo, determina o longo prazo !
.

.


publicado por eva às 00:33

link do post | comentar | favorito


. ESCRITOS de EVA

Bem vindos! Namastê!

. Reflexão

Aquilo que pensas ser o cume é apenas mais um degrau - Séneca

. mais sobre mim

. Junho 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


. pesquisar

 

. links

. Alguns favoritos (mais em Ver Perfil)

. A Casa do Passal - Cabana...

. Aristides de Sousa Mendes...

. Maria João Brito de Sousa...

. Sophia de Mello Breyner A...

. Mercedes Sosa

. Jalal Rumi # A evolução d...

. Cecília Meireles # A arte...

. Cecília Meireles # Cântic...

. Teilhard de Chardin # O M...

. Natália Correia # Ó Véspe...

. tags

. todas as tags

. Simpatias recebidas

@@@@@@@@@@@@@@@ Campanha da Amizade, amizade de Aida Nuno @@@@@@@@@@@@@@@ É um blog muito bom, sim senhora! , amizade de Coffee Cup @@@@@@@@@@@@@@@ Prémio Dardos, amizade de Lady Magenta, poetaporkedeusker, Velucia @@@@@@@@@@@@@@@ Blog de Ouro, amizade de poetaporkedeusker, Maria José Rijo, Velucia @@@@@@@@@@@@@@@ Prémio Magic Blog, amizade de Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Prémio Seu Blog tem Néctar, amizade de poetaporkedeusker @@@@@@@@@@@@@@@ Prémio Mimo Samoga, amizade de poetaporkedeusker @@@@@@@@@@@@@@@ Prémio Medalha de Ouro, amizade de poetaporkedeusker @@@@@@@@@@@@@@@ Selo Best Blog, amizade de Alice Alfazema
blogs SAPO

. subscrever feeds