Eva diz o que sonha (e não só) sem alinhamento a políticas ou crenças conformes às instituições que conhecemos. Momentos de leveza, felicidade ou inspiração para melhorar cada dia com bons pensamentos. Um texto, uma imagem... para todas as idades

. posts recentes

. Treino de perfeição

. Temos uma estrela própria

. O silêncio não tem nada d...

. Algures no tempo

. O medo paralisa se…

. Amanhã

. O medo tolhe

. Cecília Meireles # Cântic...

. Felicidade em tons de ros...

. Os medos

. A serpente

. Possibilidades

. Cecília Meireles # Cântic...

. Clara Pinto Correia # Que...

. Dificuldades

. Alexandre O'Neill # O P...

. arquivos

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. links


Quarta-feira, 16 de Novembro de 2011

Treino de perfeição

- lha, vês que ‘tou a planar?

- Hãaam…

- Olha, vê!!

- …

- Porque não me ligas? Nunca ligas ao que eu faço!

- Disparate!

- Ai, sim?! Então que foi que te mostrei, que foi?

- Bom, deixa-me pensar…

- Pensar?! Eu mostrei-te!!!

- Mas ‘tava a atender no telemóvel…

- Vês, é exactamente o que te digo!

- Ok, talvez tenhas um pouquinho de razão, só um pouco, porque é necessário que eu responda quando me ligam por trabalho, percebes?

- Não! Tu dizes-me que sou o mais importante da tua vida! Todas as noites dás-me um beijo, um montão de beijos e dizes isso, mas… eu não devo saber o que queres dizer.

- Olha, tens razão! Mostra-me lá outra vez o que fizeste e não faz mal se errares porque te amo o suficiente, até sobra, para esperar que consigas fazer o que te propões. Nunca tenhas medo nem desespero de errar porque isso é o caminho para um dia acertares.

- E voar bem?

- Voar alto e planar bem, ali onde o ar é mais oxigenado e puro. Ali onde deves chegar, pois és uma jóia de menino. Obrigado!

- Porquê?

- Por seres assim. 


publicado por eva às 00:39

link do post | comentar | favorito

Sábado, 8 de Outubro de 2011

Temos uma estrela própria

- strelas, o que são para ti, netinho?

- São luzes no escuro, ‘vó.

- Isso mesmo! São luzes no escuro.

- E sabes ‘vó, gosto de dormir com a janela sem cortinas para quando acordo de noite poder vê-las e assim não tenho medo porque elas parecem brilhar só para mim.

- Mas sabes um segredo… o escuro não existe. A luz primeira é branca, que depois se desdobra em todas as cores e tonalidades que podes ver.

- Mas eu vejo o escuro, ele é de que cor então?

- O escuro é a falta de luz, a luz que não vemos. Se nessa altura fechares os olhos verás a luz branca na mesma.

- Não vejo não, por isso é que me assusto.

- Ahh! Nada receies porque o medo tolhe. Fecha os olhos e pede para o teu Anjo da Guarda te guardar e mostrar a estrela que brilha só para ti.

- Só para mim?

- Pois todos temos uma estrela própria.

- Ela brilha no céu à noite, como as outras?

- Essa brilha dentro de nós, está sempre connosco e habita no coração.

- É branca, ‘vó?

- É branca mas às vezes mostra-se rosa se sentimos especialmente amor ou carinho, ou mostra-se azul se precisamos ser fortes e defender-nos, ou mostra-se amarela quando precisamos conhecer mais coisas da vida…

- Ah! Nos exames preciso mais dela amarela, pois pois!

- Então, netinho, não precisas ter medo de nada, tens sempre uma estrela muito especial dentro de ti.

- Então vou estar sempre cheio de sorte, euromilhões e tal?

- Que ideia! A estrela tem um brilho especial porque é para coisas especiais, para nos ajudar quando precisamos em alturas muito difíceis, quando nos sentimos abandonados, atarantados com tanto problema e…

- E à noite quando acordo!


publicado por eva às 00:33

link do post | comentar | favorito

Domingo, 19 de Dezembro de 2010

O silêncio não tem nada de simples

ilêncio!

Que silêncio há aqui, que é isto afinal?

Ah, então é isso?

Mas gosto!

Então porque não me calo?

Porque…

Acho que não consigo fazer silêncio em mim.

Gosto de sentir esta força

Não pensei que o silêncio tivesse tanta força

Mas… por outro lado… não suporto bem essa força

Acho que vai desabar algo dentro de mim

E assusta-me.

Porque não fico mais vezes em silêncio comigo?

Acho que nunca fiquei, assusta-me!

Talvez? Talvez seja isso

A pureza do silêncio completo!

O simples silêncio não tem nada de simples!

Vou tentar… oh, sim! Vou tentar encontrar esse silêncio em mim.

 


publicado por eva às 00:38

link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

Sexta-feira, 19 de Novembro de 2010

Algures no tempo

lgures no tempo ficou o desejo de ser feliz

Algures ficámos nós

Ficámos quietos e presos

Ficámos quedos de medo e terror

No medo que paralisa e acanha

Até que um dia o carinho e a ternura

Nos motivem o viver

O amor que desenvolve liberdade

O amor em que o ser se expande

Para viver livre para todo o sempre.

 


publicado por eva às 00:38

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Quarta-feira, 3 de Novembro de 2010

O medo paralisa se…

- ou a conseguir, ‘tou ‘tou!

- Mas… o quê?

- ‘Tou me’mo!

- Mas… o quê?

- Olha que ‘tou!

- … Hã?! Onde ‘tou?

- Ohhh! Foi só sonho…

- Que sonhaste tu?

- Sonhava que conseguia ultrapassar os rápidos e uma catarata inteirinha e… vi-me cá em baixo a olhar p’ra ela e…

- E…?

- E já não havia luta, era só eu e a água calma, quase parada… Tã’ lindo!

- Então ultrapassaste o medo da água funda!

- Se calhar… senti-me tão bem!

- A bonança é sempre boa e geralmente só é bem apreciada após as tormentas de medos e preocupações.

- Medos? Pavor, isso sim!

- O medo é uma força indescritível que paralisa e acanha o ser se não lhe lançarmos a luz do esclarecimento.

- Já passou!

 


publicado por eva às 00:32

link do post | comentar | favorito

Domingo, 16 de Maio de 2010

Amanhã

manhã... Amanhã vou fazer… amanhã vou dizer… amanhã vou ser…

Mas… e se o amanhã não chega para nós?

E… se então perdemos a ocasião de fazer exactamente o mesmo, mas ainda hoje? Para não dizer que ontem mesmo já poderia estar feito.

O que nos impede então de agir no momento em que temos a ideia?

É uma falha da vontade? É a necessidade de amadurecer a ideia? É falta de forças?

O que é?

Mas, se a ideia é tão simples como sair porta fora e ir comprar alguma coisa, ou ir ao café, ou dar uma volta pela vizinhança, ou… enfim algo que nos agrade, ah! Isso é imediatamente posto em prática.

Então o que fica para trás? É o que dá trabalho? Daquilo que não temos a certeza?

É medo? De quem, dos outros ou de nós mesmos? Do que não nos agrada totalmente?

Porque às vezes olhamos e não vamos em frente?

Porque hesitamos tanto? Será acomodação?

A vida que temos é a que é e não vale a pena ficar no desejo do que pode ser. Ou arregaçamos as mangas e vamos à luta que nos parece justa… ou mais vale gostar do que temos… e ser o mais feliz possível ainda ontem, hoje e amanhã.

O amanhã não deve ser uma desculpa, mas a esperança de que tudo será melhor… um dia!

 


publicado por eva às 00:30

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Domingo, 9 de Maio de 2010

O medo tolhe

ltimas palavras. Últimos gestos.

Parece que tudo foi um sonho, um pesadelo. Mas, se calhar não…

Tenho medo de acordar, de abrir sequer os olhos e ver se é verdade.

Ser verdade o que vi, o que sonhei, o que estava mesmo ali à minha frente…

Mas não posso ter medo...

Se tenho medo uma vez, possa não mais deixar de ter medo.

E o medo tolhe! Tolhe a verdade de ser mais verdade.

Tolhe o ser de ser melhor, de acreditar e ter esperança.

O medo não interessa… e, mesmo assim, às vezes continua a espreitar.

Bem, vou eu espreitar agora… está tudo na mesma… o quarto, a janela, a porta, o corredor… tudo?

E aquele sangue todo? E o crime? Onde estão todos os outros que estavam aqui agorinha?

Foi um pesadelo, só pode ser!

- É tudo mental menina. Está tudo só na sua cabeça. Nós, por aqui, continuamos com a cabeça entre as orelhas. Nem teríamos tempo para essas suas coisas. Aqui trabalha-se! Sabe o que isso é?

- Sei que está um dia lindo e que foi apenas mais um pesadelo. Que bom! Que bom são os sonhos, simplesmente sonhos…

 


publicado por eva às 22:06

link do post | comentar | favorito

Domingo, 29 de Novembro de 2009

Cecília Meireles # Cântico IV (Tu tens um medo)

.
Tu tens um medo:
Acabar.
Não vês que acabas todo o dia.
Que morres no amor.
Na tristeza.
Na dúvida.
No desejo.
Que te renovas todo o dia.
No amor.
Na tristeza.
Na dúvida.
No desejo.
Que és sempre outro.
Que és sempre o mesmo.
Que morrerás por idades imensas.
Até não teres medo de morrer.

E então serás eterno.

.


de Cecília Meireles
in "Cânticos"
.
.
Disse  Cecília Meireles:  Ser livre é ir mais além: é buscar outro espaço, outras dimensões, é ampliar a órbita da vida !
.

 


publicado por eva às 20:49

link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 30 de Outubro de 2009

Felicidade em tons de rosa

Há pessoas que nos incitam a ser felizes, digamos que nos provocam emoções, sentimentos e pensamentos felizes – seja nesta ordem ou noutra ou em simultâneo.
Assim como há outros casos de autêntica repulsa e medo, que tentamos, quase dramaticamente, superar com todas as nossas forças.
- Porquê?
- Porquê, o quê?
- Porque tentamos superar os medos e repulsas e não nos afastamos simplesmente dessas pessoas?
- Porque se não superarmos em nós esses sentires, não temos paz em nossos corações. E é por essa paz que ansiamos e tentamos constantemente superar os sentimentos inferiores em nós. Por quem os sentimos é irrelevante, o que interessa é que somos capazes de senti-los…
- Mesmo que o outro os mereça completamente, e mereça ainda mais sentimentos do género por ser a pessoa que é para nós?
- O que importa não é tanto o que o outro é, mas aquilo que desperta em nós, sejam emoções, sentimentos ou pensamentos que se descontrolam facilmente em nojo ou pavor ou algo equivalente. É esse nosso descontrolo que devemos ultrapassar.
- Queres dizer que o outro não interessa?
- Quero dizer que a nossa interpretação tem mais a ver connosco, nossas experiências passadas e com o nosso passado do que com aquele indivíduo que nos causa tais sentimentos infelizes e que nos pode, inclusive, estragar o dia apenas por pensar nele(a).
- Mas a questão é que esses indivíduos têm na mão, geralmente, a faca e o queijo da nossa vidinha familiar ou do trabalho e da nossa promoção, versus dinheiro ao fim do mês, etc.
- Acredites ou não, eles têm de nós o que nós lhes permitirmos em termos mentais, mais que físicos ou da vida prática. Refiro-me à nossa paz interior que não deveria merecer ser diminuída por tais sujeitos.
- Essa paz é sinónimo de nossa felicidade?
- Essa paz é sinónimo do progresso que temos e, sim, da nossa felicidade bem sentida.
.
.

.
René Magritte - Decalcomania
Imagem retirada da net 
.
.
Disse  Michel Quoist:  A humanidade inteira precisa de ti, pois onde estiveres, és único, e portanto, insubstituível !
.

.


publicado por eva às 00:35

link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 26 de Outubro de 2009

Os medos

Os medos, os pavores e horrores que temos tolhem as nossas acções e pensares.
A nossa forma de pensar, de elaborar os pensamentos, transforma-se a pouco e pouco minando a estrutura mental sub-repticiamente.
Os pensamentos formulados com este substrato negativo por base, começam a tolher a personalidade que passa a ser medrosa e fugidia em vez de corajosa e cheia de esperança de que há sempre um futuro luminoso à nossa espera.
Esperança estruturada e movida pela fé que impele o ser na sua evolução, como uma ventania que o arrebata para o elevar, mesmo que já não tenha forças para isso.
A fé move montanhas e move tudo o que estiver a impedir o caminho da evolução a cada indivíduo.
O impossível é perfeitamente possível e até pode tornar-se uma banalidade.
Em contrapartida, as mentes transtornadas vêem montanhas de pesadelos que não os deixam mover, quanto mais sair das suas dificuldades.
As mentes acabrunhadas pelo medo têm tendência para acumular cada vez mais medos, gerados a partir do primeiro, a uma velocidade incontrolável e o indivíduo, geralmente, já não consegue aliviar essa carga por si.
Por vezes, nessa necessidade de alívio e de ar novo, o ser alheia-se da realidade, do seu dia e das noites, das suas responsabilidades, enfim.
Por fim alheia-se de tudo o que gosta e faz sentido na sua vida, de todos os que ama, e vive então como num satélite sem estar em lugar nenhum, nem com pessoa alguma que verdadeiramente lhe importe.
O desespero pode tomar conta dessa mente já adoentada e então dá-se o desgaste maior.
Deixar-se levar pela confiança que os problemas são para ser ultrapassados, com paciência e benevolência, e não são montanhas de desgaste nervoso ou permitir-se pensar que tudo tem uma boa solução e se, por acaso, não está ainda à vista, poderá ver-se a solução adequado no tempo justo da resolução.
E saber, sentindo bem dentro de si, do seu coração e da sua mente, que tudo tem um modo certo e um tempo justo para se resolver de modo positivo. Isto é, tudo pode servir para ampliar e favorecer o progresso e elevação do ser se, em vez do medo, dedicar o amor que tem dentro de si à benevolência por tudo e todos que ainda não conseguem ser melhores do que são.
O amor afugenta o medo e acarinha o ser que o sente, ampliando as suas qualidades e potencialidades até ao infinito de si próprio.
.
.

.
Imagem retirada da net
.
.
Disse  Alexandre O'Neill:  Ah  o  medo  vai  ter  tudo  tudo  (Penso  no  que  o  medo  vai  ter  e  tenho  medo  que  é  justamente  o  que  o  medo  quer)  !
.

.


publicado por eva às 00:34

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito


. ESCRITOS de EVA

Bem vindos! Namastê!

. Reflexão

Aquilo que pensas ser o cume é apenas mais um degrau - Séneca

. mais sobre mim

. Junho 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


. pesquisar

 

. links

. Alguns favoritos (mais em Ver Perfil)

. A Casa do Passal - Cabana...

. Aristides de Sousa Mendes...

. Maria João Brito de Sousa...

. Sophia de Mello Breyner A...

. Mercedes Sosa

. Jalal Rumi # A evolução d...

. Cecília Meireles # A arte...

. Cecília Meireles # Cântic...

. Teilhard de Chardin # O M...

. Natália Correia # Ó Véspe...

. tags

. todas as tags

. Simpatias recebidas

@@@@@@@@@@@@@@@ Campanha da Amizade, amizade de Aida Nuno @@@@@@@@@@@@@@@ É um blog muito bom, sim senhora! , amizade de Coffee Cup @@@@@@@@@@@@@@@ Prémio Dardos, amizade de Lady Magenta, poetaporkedeusker, Velucia @@@@@@@@@@@@@@@ Blog de Ouro, amizade de poetaporkedeusker, Maria José Rijo, Velucia @@@@@@@@@@@@@@@ Prémio Magic Blog, amizade de Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Prémio Seu Blog tem Néctar, amizade de poetaporkedeusker @@@@@@@@@@@@@@@ Prémio Mimo Samoga, amizade de poetaporkedeusker @@@@@@@@@@@@@@@ Prémio Medalha de Ouro, amizade de poetaporkedeusker @@@@@@@@@@@@@@@ Selo Best Blog, amizade de Alice Alfazema
blogs SAPO

. subscrever feeds