Eva diz o que sonha (e não só) sem alinhamento a políticas ou crenças conformes às instituições que conhecemos. Momentos de leveza, felicidade ou inspiração para melhorar cada dia com bons pensamentos. Um texto, uma imagem... para todas as idades

. posts recentes

. Silêncio

. Burocracia e sobrevivênci...

. Os medos

. Dias de nevoeiro

. O recomeço

. A imagem do rosto da Virg...

. Miguel Torga # É contra...

. arquivos

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. links


Domingo, 22 de Abril de 2012

Silêncio

ritos, confusão, barafunda

Zangas, violência, raiva

Movimentos desordenados

A desculpa é o desespero.

Mas quem desespera

Tem movimentos lentos e maquinais

Ou paralisa

Sofre silenciosamente

Porque já não tem voz

Para emitir um som sequer…


publicado por eva às 00:33

link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 14 de Julho de 2010

Burocracia e sobrevivência

eclarações, finanças e financeiros, advogados e tácticas, enfim, técnicas administrativas.

Quem vive em sociedade tem que sobreviver nesse mundo burocrático sob pena de nem isso conseguir – a sobrevivência.

Muitos, cada vez mais, votam pelo isolamento do que não conseguem compreender, do que não conseguem tratar, do desespero que, de repente, assola suas vidas.

A par disto tudo há pessoas caridosas que dão horas do seu saber burocrático em consultas gratuitas em gabinetes públicos regionais ou locais, juntas de freguesia, aqui e além. Também há linhas de acesso público, mas aí não é possível a consulta, apenas a descrição dos documentos que, precisamente, são a causa da perturbação pessoal e individual.

Resumindo a questão, apesar das ajudas, a ignorância dos problemas e da burocracia inerente é tal para o cidadão comum que este nem consegue entender o que está errado.

Outros casos há de indivíduos com pouca instrução, mas vivaços nestes assuntos, que conseguem passar entre os pingos da chuva da pesada máquina administrativa e parecem ir gozando com a honestidade de todos os que cruzam o seu caminho.

Por estes modos se regem as democracias, ou coisas do povo…

Não se desamparem, nem obscureçam ou desesperem, os indivíduos e famílias pois tudo pode ser entendível e a cada dia nasce novamente o Sol, a cada dia aporta uma oportunidade propícia a cada resolução.

A cada dia surge um novo entendimento, a cada dia renascem as consciências sociais e de si mesmo.

O amanhã é sempre um novo dia – em toda a acepção da palavra.

 


publicado por eva às 00:34

link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 26 de Outubro de 2009

Os medos

Os medos, os pavores e horrores que temos tolhem as nossas acções e pensares.
A nossa forma de pensar, de elaborar os pensamentos, transforma-se a pouco e pouco minando a estrutura mental sub-repticiamente.
Os pensamentos formulados com este substrato negativo por base, começam a tolher a personalidade que passa a ser medrosa e fugidia em vez de corajosa e cheia de esperança de que há sempre um futuro luminoso à nossa espera.
Esperança estruturada e movida pela fé que impele o ser na sua evolução, como uma ventania que o arrebata para o elevar, mesmo que já não tenha forças para isso.
A fé move montanhas e move tudo o que estiver a impedir o caminho da evolução a cada indivíduo.
O impossível é perfeitamente possível e até pode tornar-se uma banalidade.
Em contrapartida, as mentes transtornadas vêem montanhas de pesadelos que não os deixam mover, quanto mais sair das suas dificuldades.
As mentes acabrunhadas pelo medo têm tendência para acumular cada vez mais medos, gerados a partir do primeiro, a uma velocidade incontrolável e o indivíduo, geralmente, já não consegue aliviar essa carga por si.
Por vezes, nessa necessidade de alívio e de ar novo, o ser alheia-se da realidade, do seu dia e das noites, das suas responsabilidades, enfim.
Por fim alheia-se de tudo o que gosta e faz sentido na sua vida, de todos os que ama, e vive então como num satélite sem estar em lugar nenhum, nem com pessoa alguma que verdadeiramente lhe importe.
O desespero pode tomar conta dessa mente já adoentada e então dá-se o desgaste maior.
Deixar-se levar pela confiança que os problemas são para ser ultrapassados, com paciência e benevolência, e não são montanhas de desgaste nervoso ou permitir-se pensar que tudo tem uma boa solução e se, por acaso, não está ainda à vista, poderá ver-se a solução adequado no tempo justo da resolução.
E saber, sentindo bem dentro de si, do seu coração e da sua mente, que tudo tem um modo certo e um tempo justo para se resolver de modo positivo. Isto é, tudo pode servir para ampliar e favorecer o progresso e elevação do ser se, em vez do medo, dedicar o amor que tem dentro de si à benevolência por tudo e todos que ainda não conseguem ser melhores do que são.
O amor afugenta o medo e acarinha o ser que o sente, ampliando as suas qualidades e potencialidades até ao infinito de si próprio.
.
.

.
Imagem retirada da net
.
.
Disse  Alexandre O'Neill:  Ah  o  medo  vai  ter  tudo  tudo  (Penso  no  que  o  medo  vai  ter  e  tenho  medo  que  é  justamente  o  que  o  medo  quer)  !
.

.


publicado por eva às 00:34

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Quarta-feira, 12 de Dezembro de 2007

Dias de nevoeiro

Dias de nevoeiro.
Dias de pagamentos de dívidas que não se entendem, por vezes, e que enevoam também o nosso raciocínio e o nossos sentir.
Que fazer quando se fez tudo o que se sabia e as dívidas continuam a chegar e a levar o dinheiro, que não podem levar… porque já não há, nem há onde o ir buscar?
Que fazer quando o nevoeiro lá fora é tão mais pequeno que aquele que tolhe o coração?
Que fazer se nem há onde ir pedir porque estamos todos na mesma situação?
Não há quem queira comprar as coisas, não há como conservá-las e não há como pagar os impostos – os esperados anualmente e os novos, tão desconhecidos.
Que fazer quando já não se pode fazer nada?
Que fazer quando não há forças para fazer o nada?
Alguém fez um dia um poster a dizer que, nas crises, o melhor é ficar quieto à espera que a crise passe.
O que o poster não referia era o que fazer se ela se repete, e repete e repete. 
Se nos encontramos frente a uma parede de desespero a erguer-se cada vez mais assustadora.
Ou quando já não há forças, quando só resta uma centelha de ânimo.
A centelha da luz, a centelha da fé que nos move a esperança.
A esperança de que um dia será o dia do amanhã.
O amanhã em que já tudo isso passou… o amanhã da paz no coração.
.
.
.

 .
Kandinsky
.

♪: Acalanto - Adriana Calcanhotto

publicado por eva às 08:50

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Sábado, 15 de Julho de 2006

O recomeço

15 de julho de 2006

Um deserto à frente. Tudo seco e árido. Apenas terra, areia e pó.
Dia quente e luminoso.
Alguém está à espera, em pé junto a uma rocha (ou algo parecido) onde também podia estar sentado.
Mas, teimosamente em pé, espera.
Chega quem espera e começa as despedidas.
Despede-se da raiva, do desespero, dos enganos.
Das penas cuidadosamente tecidas por si próprio.
Das suas desgraças alimentadas ao longo de anos.
Despede-se de si mesmo, para agarrar a segunda, ou melhor, a terceira oportunidade de viver.
Viver honradamente para si e para a sua família.
Para viver alimentando agora a força do amor.
Do amor pelos seus, mais que por si mesmo.
Pelo amor à felicidade da vida que ainda tem para viver.
Viver melhor, mais plenamente.
Será que percebeu que o amor é a maior força do universo e dele próprio?
Será que ainda alguém duvida da força de um céu rosa para cada um e para todos?
Para todos - a união da força do amor.
E da transparência do amor.

publicado por eva às 23:22

link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 11 de Maio de 2006

A imagem do rosto da Virgem é sempre bonita de ver.

11 de maio de 2006

A imagem do rosto da Virgem é sempre bonita de ver.
A Madona é outra imagem de significado maternal e amoroso.
Imagens e figuras queridas têm mais emoção para quem as vê.
E mais ainda para quem as sente doentes e a precisar de qualquer tratamento.
E vem um certo desânimo pela dificuldade em ser útil.
É nestes momentos que avaliamos o poder da fé e do querer.
Da vontade própria e da sua limitação em termos de realidade.
Porém o conjunto de vontade, fé e esperança é uma tríade de valores muito elevados.
Sempre surge uma nova condição que altera a situação  -  melhorando-a.
Por vezes é mesmo essa a razão essencial para que a transferência de valores se realize.
E a solução aparece então com mais clareza e visibilidade.
Felizes os que têm fé.
Não sei se arrasa montanhas, mas torna os vales férteis seguramente.
Além do mais, a fé dá também serenidade.
Um dos caminhos para a perfeição.
Fica uma estrela mais azul e a brilhar intensamente.

publicado por eva às 22:11

link do post | comentar | favorito

Domingo, 23 de Abril de 2006

Miguel Torga # É contra mim que luto. Não tenho outro inimigo.

23 de abril de 2006


É contra mim que luto.
Não tenho outro inimigo.
O que penso,
O que sinto,
O que digo
E o que faço,
É que pede castigo
E desespera a lança no meu braço.

Absurda aliança
De criança
E adulto,
O que sou é um insulto
Ao que não sou;
E combato esse vulto
Que à traição me invadiu e me ocupou. 

                                    de Miguel Torga

 

 
 


publicado por eva às 14:51

link do post | comentar | favorito


. ESCRITOS de EVA

Bem vindos! Namastê!

. Reflexão

Aquilo que pensas ser o cume é apenas mais um degrau - Séneca

. mais sobre mim

. Junho 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


. pesquisar

 

. links

. Alguns favoritos (mais em Ver Perfil)

. A Casa do Passal - Cabana...

. Aristides de Sousa Mendes...

. Maria João Brito de Sousa...

. Sophia de Mello Breyner A...

. Mercedes Sosa

. Jalal Rumi # A evolução d...

. Cecília Meireles # A arte...

. Cecília Meireles # Cântic...

. Teilhard de Chardin # O M...

. Natália Correia # Ó Véspe...

. tags

. todas as tags

. Simpatias recebidas

@@@@@@@@@@@@@@@ Campanha da Amizade, amizade de Aida Nuno @@@@@@@@@@@@@@@ É um blog muito bom, sim senhora! , amizade de Coffee Cup @@@@@@@@@@@@@@@ Prémio Dardos, amizade de Lady Magenta, poetaporkedeusker, Velucia @@@@@@@@@@@@@@@ Blog de Ouro, amizade de poetaporkedeusker, Maria José Rijo, Velucia @@@@@@@@@@@@@@@ Prémio Magic Blog, amizade de Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Prémio Seu Blog tem Néctar, amizade de poetaporkedeusker @@@@@@@@@@@@@@@ Prémio Mimo Samoga, amizade de poetaporkedeusker @@@@@@@@@@@@@@@ Prémio Medalha de Ouro, amizade de poetaporkedeusker @@@@@@@@@@@@@@@ Selo Best Blog, amizade de Alice Alfazema
blogs SAPO

. subscrever feeds