Eva diz o que sonha (e não só) sem alinhamento a políticas ou crenças conformes às instituições que conhecemos. Momentos de leveza, felicidade ou inspiração para melhorar cada dia com bons pensamentos. Um texto, uma imagem... para todas as idades

. posts recentes

. Amor e caridade

. Excerto da carta de Ferna...

. Nikos Kazantzaki # Como c...

. Nikos Kazantzaki # Como c...

. Nikos Kazantzaki # Carta ...

. Nikos Kazantzaki # Carta ...

. S. Paulo # A caridade

. arquivos

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. links


Quinta-feira, 3 de Setembro de 2009

Amor e caridade

Os círculos e as linhas que percorremos são as nossas opções e as nossas possibilidades de opção.
Estas possibilidades são cada vez mais amplas e, singularmente, mais rectas e finas à medida do nosso progresso, ou da nossa evolução.
Porque, a dada altura, não há dúvidas que enredem e emaranhem os fios das opções.
Porque, a dada altura, somos mais que nós, que a nossa sombra.
Porque, então, somos a nossa amplitude, somos a nossa própria luz e depois, ainda somos a projecção dessa luz.
E, aí, iluminamos também em redor com muito Amor tudo e todos.
Aí sentimos Amor e Caridade por todos – por aqueles que sofrem, por todos os que infligem sofrimento aos demais e os que provocam sofrimento a si mesmos.
Nessa altura, apenas o Amor tem sentido porque já se compreende e conhece-se, no íntimo, que todos andamos enganados até encontrar esse sentimento grandioso e que engrandece quem o sente – o AMOR!

.
.

.
Imagem retirada da net
.
.
Disse  1ª Carta aos Coríntios (1Cor 8, 1):  O amor edifica !
.
.

publicado por eva às 00:34

link do post | comentar | favorito

Domingo, 18 de Janeiro de 2009

Excerto da carta de Fernando Pessoa a Adolfo Casais Monteiro sobre a génese dos heterónimos

Texto completo, com grafia original 

Texto completo, com grafia actualizada

 ………………………………………………………………......
            Desde criança, tive a tendência para criar em meu torno um mundo fictício, de me cercar de amigos e conhecidos que nunca existiram. (Não sei, bem entendido, se realmente não existiram, ou se sou eu que não existo. Nestas coisas, como em todas, não devemos ser dogmáticos.) Desde que me conheço como sendo aquilo a que chamo eu, me lembro de precisar mentalmente, em figura, movimentos, carácter e história, várias figuras irreais que eram para mim tão visíveis e minhas como as coisas daquilo a que chamamos, porventura abusivamente, a vida real. Esta tendência, que me vem desde que me lembro de ser um eu, tem-me acompanhado sempre, mudando um pouco o tipo de música com que me encanta, mas não alterando nunca a sua maneira de encantar.
…………………………………………………………………….
            Esta tendência para criar em torno de mim um outro mundo, igual a este mas com outra gente, nunca me saiu da imaginação. Teve várias fases, entre as quais esta, sucedida já em maioridade. Ocorria-me um dito de espírito, absolutamente alheio, por um motivo ou outro, a quem eu sou, ou a quem eu suponho que sou. Dizia-o, imediatamente, espontaneamente, como sendo de certo amigo meu, cujo nome inventava, cuja história acrescentava, e cuja figura – cara, estatuto, traje e gesto – imediatamente eu via diante de mim. E assim arranjei, e propaguei, vários amigos e conhecidos que nunca existiram, mas que ainda hoje, a perto de trinta anos de distância, ouço, sinto, vejo. Repito: ouço, sinto, vejo… E tenho saudades deles.
………………………………………………………………………
            Aí por 1912, salvo erro (que nunca pode ser grande), veio-me à ideia escrever uns poemas de índole pagã. Esbocei umas coisas em verso irregular (não no estilo Álvaro de Campos, mas num estilo de meia irregularidade), e abandonei o caso. Esboçara-se-me, contudo, numa penumbra mal urdida, um vago retrato da pessoa que estava a fazer aquilo. (Tinha nascido, sem que eu soubesse, o Ricardo Reis.)
            Ano e meio, ou dois anos depois, lembrei-me um dia de fazer uma partida ao Sá-Carneiro – de inventar um poeta bucólico, de espécie complicada, e apresentar-lho, já me não lembro como, em qualquer espécie de realidade. Levei uns dias a elaborar o poeta mas nada consegui. Num dia em que finalmente desistira – foi em 8 de Março de 1914 – acerquei-me de uma cómoda alta, e tomando um papel, comecei a escrever, de pé, como escrevo sempre que posso. E escrevi trinta e tantos poemas a fio, numa espécie de êxtase cuja natureza não conseguirei definir. Foi o dia triunfal da minha vida, e nunca poderei ter outro assim. Abri com um título, O Guardador de Rebanhos. E o que se seguiu foi o aparecimento de alguém em mim, a quem dei desde logo o nome de Alberto Caeiro. Desculpe-me o absurdo da frase: aparecera em mim o meu mestre. Foi essa a sensação imediata que tive. E tanto assim que, escritos que foram esses trinta e tantos poemas, imediatamente peguei noutro papel e escrevi, a fio, também, os seis poemas que constituem a Chuva Oblíqua, de Fernando Pessoa. Imediatamente e totalmente… Foi o regresso de Fernando Pessoa-Alberto Caeiro a Fernando Pessoa ele só. Ou melhor, foi a reacção de Fernando Pessoa contra a sai própria inexistência como Alberto Caeiro.
            Aparecido Alberto Caeiro, tratei logo de lhe descobrir – instintiva e subconscientemente – uns discípulos. Arranquei do seu falso paganismo o Ricardo Reis latente, descobri-lhe o nome, e ajustei-o a si mesmo, porque nessa altura já o via. E, de repente, e em derivação oposta à de Ricardo Reis, surgiu-me impetuosamente um novo individuo. Num jacto, e à máquina de escrever, sem interrupção nem emenda, surgiu a Ode Triunfal de Álvaro de Campos – a Ode com esse nome e o homem com o nome que tem.
..……………………………………………………..................
             Mais uns apontamentos nesta matéria… Eu vejo diante de mim, no espaço incolor mas real do sonho, as caras, os gestos de Caeiro, Ricardo Reis e Álvaro de Campos. Construí-lhes as idades e as vidas. Ricardo Reis nasceu em 1887 (não me lembro do dia e do mês, mas tenho-os algures), no Porto, é médico e está presentemente no Brasil. Alberto Caeiro nasceu em 1889 e morreu em 1915; nasceu em Lisboa mas viveu quase toda a sua vida no campo. Não teve profissão, nem educação quase alguma. Álvaro de Campos nasceu em Tavira, no dia 15 de Outubro de 1890 (às 1.30 da tarde, diz-me o Ferreira Gomes; e é verdade, pois, feito o horóscopo para essa hora, está certo). Este, como sabe, é engenheiro naval (por Glasgow), mas agora está aqui em Lisboa em inactividade. Caeiro era de estatura média, e, embora realmente frágil (morreu tuberculoso) não parecia tão frágil como era. Ricardo Reis é um pouco, mas muito pouco, mais baixo, mais forte, mas seco. Álvaro de Campos é alto (1,75 m de altura, mais dois cm do que eu), magro e um pouco tendente a curvar-se. Cara rapada todos – o Caeiro louro sem cor, olhos azuis; Reis de vago moreno mate; Campos, entre o branco e moreno, tipo vagamente de judeu português, cabelo, porém, liso e normalmente apartado ao lado, monóculo. Caeiro, como disse, não teve mais educação que quase nenhuma – só instrução primária; morreram-lhe cedo o pai e a mãe, e deixou-se ficar em casa, vivendo de uns pequenos rendimentos. Vivia com uma tia velha, tia-avó. Ricardo Reis, educado num colégio de jesuítas, é, como disse, médico; vive no Brasil desde 1919, pois se expatriou espontaneamente por ser monárquico. É um latinista por educação alheia, e um semi-helenista por educação própria. Álvaro de Campos teve uma educação vulgar de liceu; depois foi mandado para a Escócia estudar engenharia, primeiro mecânica e depois naval. Numas férias fez a viagem a Oriente de onde resultou o Opiário. Ensinou-lhe latim um tio beirão que era padre.
Como escrevo em nome destes três? Caeiro, por pura e inesperada inspiração, sem saber ou sequer calcular que iria escrever. Ricardo Reis, depois de uma deliberação abstracta, que subitamente se concretiza numa ode. Campos, quando sinto um súbito impulso para escrever e não sei o quê. (O meu semi-heterónimo Bernardo Soares, que aliás em muitas coisas se parece com Álvaro de Campos, aparece sempre que estou cansado ou sonolento, de sorte que tenha um pouco suspensas as qualidades de raciocínio e de inibição; aquela prosa é um constante devaneio. É um semi-heterónimo porque, não sendo a personalidade a minha, é, não diferente da minha, mas uma simples mutilação dela. Sou eu menos o raciocínio e a afectividade. A prosa, salvo o que o raciocínio dá de ténue à minha, é igual a esta, e o português perfeitamente igual; ao passo que Caeiro escrevia mal o português, Campos razoavelmente mas com lapsos como dizer «eu próprio» em vez de «eu mesmo», etc. Reis melhor do que eu, mas com um purismo que considero exagerado. O difícil para mim é escrever a prosa de Reis – ainda inédita – ou de Campos. A simulação é mais fácil, até porque é mais espontânea em verso.)
......................................................................................
.
.
in "Fernando Pessoa, Obra Poética e em Prosa",
ed. António Quadros. Porto, Lello & Irmão, 1986
.
.
.
Disse  Ricardo Reis (heterónimo de Fernando Pessoa):  Há mais eus do que eu mesmo !
.
.

publicado por eva às 00:30

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Domingo, 7 de Dezembro de 2008

Nikos Kazantzaki # Como conheci Alexis Zorba (continuação)

Um dia recebi este telegrama: «Descoberta uma bela pedra de cor verde, presença imediata indispensável. - ZORBA.»
Começava a ouvir-se ao longe o ribombar da trovoada que se tinha desencadeado sobre a terra: a Segunda Guerra Mundial.
Milhões de homens estremeciam com a ameaça da fome, do massacre e da loucura. Todos os demónios do homem tinham despertado e estavam sedentos de sangue.
Foi durante esses dias envenenados que recebi o telegrama de Zorba. A princípio fiquei enfurecido: o mundo está em convulsão, a vida e a honra dos homens estão em perigo, e eis que uma pessoa recebe um telegrama a dizer para partir, fazer mais de mil milhas para ir ver uma bela pedra verde! Maldita seja a beleza, disse para mim, que não tem coração e não se importa com o sofrimento do homem!
Mas depois surgiu o espanto: a cólera tinha-se dissipado e apercebia-me com terror que esse grito desumano de Zorba respondia a um outro grito desumano que eu trazia em mim. Uma selvagem ave de rapina pôs-se a bater as asas no meu íntimo, preparando-se para lançar voo. Todavia, não parti; uma vez mais não tive coragem. Não parti, não segui o grito divino, o grito da besta selvagem que eu ouvia em mim, e não levei a cabo essa acção pobre e absurda. Seguindo a voz humana e glacial da razão, agarrei na caneta e escrevi a Zorba uma carta na qual eu lhe explicava que...
Ele respondeu-me: «Desculpa-me, patrão, mas não passas dum reles escriba. Podias ter visto, meu pobre infeliz, uma vez na tua vida uma bela pedra verde e não a viste. Louvado Deus, às vezes, quando não tenho que fazer, começo a perguntar a mim próprio: «Haverá ou não haverá Inferno?» Mas ontem, ao receber a tua carta, pensei: «Claro que tem de haver Inferno, senão para onde iriam certos reles escribas que eu conheço?» Passaram anos. Longos e terríveis anos, em que me parecia que o tempo tinha perdido a cabeça e andava à rédea solta, as fronteiras geográficas se haviam posto a rodopiar e os Estados alargavam e encolhiam como acordeões. Eu e Zorba tínhamo-nos perdido de vista, no meio da tormenta; só de tempos a tempos recebia um breve postal dele, expedido da Sérvia: «Continuo ainda vivo, mas como aqui faz um frio dos diabos fui obrigado a casar-me. Vira o postal para conheceres o seu palmo de cara;
bem giro, não achas? Ela tem a barriga já um tanto inchada porque anda a preparar-se para me dar um Zorbazinho. Chama-se Liuba. O casaco que eu tenho vestido, com uma gola de raposa, vem do dote da minha mulher; trouxe-me também uma porca com sete leitõezinhos. Que família! Beijo-te afectuosamente.
Alexis Zorba, ex-viúvo.» Uma outra vez enviou-me da Sérvia um barrete montenegrino bordado e com uma campainha de prata pendurada no penacho.
«Põe-no na cabeça quando escreves as tuas balelas, patrão; eu trago um igual enquanto trabalho. As pessoas, quando me vêem assim, põem-se a rir e perguntam-me: Tu és doido, Zorba; porque é que trazes essa campainha pendurada no barrete?» Mas eu sorrio e não lhes respondo. Só nós dois, patrão, é que sabemos a razão por que trazemos a campainha no barrete.»
No entanto, tinha-me agarrado novamente aos papéis e à caneta; conhecera Zorba tarde de mais, já não havia salvação para mim: havia-me tornado um reles escriba para sempre.
……………………………………………………………..
Os chineses usam uma estranha praga: «Maldito sejas tu e possas nascer numa época importante.» Nós nascemos numa época importante, plena de tentativas transformadoras, de aventuras e de conflitos. E esses conflitos não opõem, como antigamente, as virtudes aos vícios, mas – o que é muito mais trágico – as próprias virtudes entre si. As antigas virtudes, reconhecidas até agora, começam a perder a sua força; já não conseguem responder às exigências religiosas, morais, espirituais, sociais da alma contemporânea. Dir-se-ia que a alma do homem cresceu e já não consegue suportar os antigos moldes.
Nas entranhas da nossa época, nas entranhas de todo o homem adaptado à nossa época, rebentou, conscientemente ou não, uma guerra civil impiedosa, entre os antigos mitos, outrora todos-poderosos, e os novos mitos que tentam, num esforço ainda inábil e mal coordenado, governar as nossas almas.
Essa a razão por que todo o homem consciente dos nossos dias se sente atormentado pelo destino dramático do seu tempo.
……………………………………………………………………..
Mas mais ainda que as angústias, o que simultâneamente me atormentava e fascinava, cujo rosto eu pretendia fixar, eram as grandes esperanças, vagas ainda e que tinham mudado de posição – as que nos fazem permanecer ainda de pé, olhando em frente com confiança, para lá da tormenta, o destino do homem.
A inquietação que me agitava não era propriamente a do homem actual, que se decompõe, mas sobretudo a do homem futuro, que está em vias de se formar e de nascer. Acreditava que se o criador dos nossos dias consegue exprimir rigorosamente os pressentimentos mais profundos que descobre dentro dele, poderá ajudar a fazer nascer, um pouco mais cedo, um pouco mais perfeitamente, o homem futuro.
Adivinhava, duma forma cada vez mais evidente, a responsabilidade do Criador. A realidade, pensava eu, não existe definitiva e acabada, independentemente de nós; cria-se com a colaboração do homem, é proporcional ao valor do homem. Se nós ao escrevermos ou ao agirmos conseguimos abrir o leito dum rio, a realidade pode passar por aí, mas se não interviermos, então é certo que a mesma realidade jamais se servirá dele. É certo que não somos nós, criadores, que arcamos com toda a responsabilidade, mas não há dúvidas que dela nos cabe grande parte. Em outras épocas, equilibradas, a profissão de escritor pôde ser um jogo; mas hoje é uma pesada tarefa e o seu objectivo não é divertir o espírito com romances cor-de-rosa, levando-o ao esquecimento: o seu objectivo, hoje, é o de proclamar a mobilização de todas as forças luminosas que sobrevivem ainda na nossa época de transição e de levar o homem a superar, tanto quanto puder, a besta.
.

.

.
in "Carta a Greco"
de Nikos Kazantzaki

.
.
.
.

Disse  Nikos Kazantzaki:  O homem é capaz e tem o dever de chegar ao fim do caminho que escolheu !
.
.


publicado por eva às 00:33

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Domingo, 30 de Novembro de 2008

Nikos Kazantzaki # Como conheci Alexis Zorba

Foram as viagens e os sonhos os maiores benfeitores que tive no decorrer da minha vida; quanto aos homens, muito poucos, vivos ou mortos, me ajudaram na minha luta. Se eu quisesse, no entanto, distinguir os homens que mais profundamente deixaram a sua marca na minha alma, nomearia talvez Homero, Buda, Nietzsche, Bergson e Zorba. O primeiro foi para mim o olhar pacífico e resplandecente, como o disco do sol que ilumina o universo com o seu brilho redentor; Buda, o olhar tenebroso e inacessível onde o mundo se afoga e se salva; Bergson libertou-me de certas questões filosóficas que permaneciam sem resposta e que me atormentaram nos primeiros anos de juventude; Nietzsche enriqueceu-me com novas angústias e ensinou-me a amar a vida e a não temer a morte.
Mas se eu tivesse que escolher um guia espiritual, um guru, como dizem os Hindus, um Velho como dizem os monges do monte Athos, seria certamente Zorba quem eu escolheria.
Porque era ele quem possuía isso que um escrevinhador precisa para ser salvo: o olhar primitivo que se apodera da sua presa como uma flecha vinda do alto; a ingenuidade criadora que todas as manhãs nos faz ver o universo como se fosse a primeira vez e dá uma virgindade aos elementos quotidianos e eternos – o vento, o mar, o fogo, a mulher, o pão; uma mão segura, um coração fresco, a coragem de se divertir com a própria alma e finalmente o riso sonoro e selvagem, vindo duma fonte profunda, mais profunda ainda que as entranhas do homem, que brotava, redentor, nos momentos críticos, do velho peito de Zorba: e quando brotava, podia abater, e abatia de facto, todas as barreiras – moral, religião, pátria – que o homem, medroso e miserável, ergueu à sua volta para caminhar coxeando, mas em segurança, ao longo da sua pobre vida.
Quando penso nesse alimento que durante tantos anos os livros e os mestres tinham oferecido a uma alma esfomeada, e nos miolos de leão que Zorba me ofereceu em alguns meses, dificilmente contenho a minha amargura e o meu furor. Não posso lembrar-me, sem que sinta o coração exaltar-se, com os propósitos que ele sustentava, as danças que ele dançava para mim, o santuri que tocava para mim, numa praia de Creta onde nós vivemos, seis meses, com uma multidão de trabalhadores, escavando a terra na esperança de encontrar um pouco de lenhite. Mas ambos sabíamos que esse objectivo material não passava dum pretexto para nos esconder aos olhos do mundo; o que nós queríamos era que o sol se pusesse depressa, que os operários largassem o trabalho, para irmos os dois instalar-nos na praia, comer o bom pão da aldeia, beber o nosso vinho seco de Creta e entabular conversa.
Eu raramente falava: que é que um intelectual pode dizer a um «papão»? E punha-me a ouvi-lo falar da sua aldeia situada no monte Olimpo, da neve, dos lobos, dos comitadjis, de Santa Sofia, da lenhite, de mulheres, de Deus, da pátria e da morte – e subitamente, quando se sentia oprimido e as palavras eram insuficientes para ele, erguia-se num salto sobre os seixos da praia e punha-se a dançar. Sólido, muito direito, ossudo, com a cabeça esticada para trás, os olhinhos redondos de pássaro, dançava, berrava, sulcava a praia com os pés enormes e borrifava a cara com água do mar.
Se eu tivesse escutado a sua voz, ou melhor, o seu grito, a minha vida teria adquirido um valor; viveria com o meu sangue, a minha carne e os meus ossos, aquilo que agora sonho como um fumador de haxixe e passo depois para o papel. Mas não me aventurei. Via Zorba dançar noite e dia, relinchando, a gritar-me para que eu saísse para fora da carapaça confortável da prudência e dos hábitos e partisse com ele para as grandes viagens sem regresso, mas ficava imóvel, transido.
Acontece-me frequentemente ter vergonha quando surpreendo a minha alma abstendo-se de levar a cabo o que o delírio supremo – a própria substância da vida – me impunha que fizesse; mas nunca tive tanta vergonha da minha alma como quando estava perante Zorba.
A exploração da lenhite foi um desastre completo. Zorba e eu tínhamos feito tudo o que podiam os, a força de gargalhadas, brincadeiras e discussões, para a levar à catástrofe. Não escavávamos para encontrar lenhite; isso era um pretexto para os homens sensatos e simples; era «para que eles não nos atirassem com tomates à cara», dizia Zorba, rlndo-se à gargalhada. - Porque a gente, patrão (chamava-me patrão e rebentava de riso), a gente, patrão, tem outros objectivos, objectivos mais elevados.
- Mas que objectivos, Zorba? – perguntava eu.
- Escavamos para ver se descobrimos os demónios que existem dentro de nós.
Não tardámos a esbanjar tudo o que me tinha dado o meu infeliz tio para montar escritório; despedimos os operários, assámos um borrego, enchemos um barril de vinho, instalámo-nos na praia junto da qual se encontrava a mina e pusemo-nos a comer e a beber. Zorba pegou no santuri, afinou a garganta velha e rouca e cantou um amané. Comíamos, bebíamos, e não me lembro de alguma vez me sentir tão bem disposto: a exploração da mina morreu, gritávamos, que Deus tenha a sua alma em descanso e nos dê longa vida. Para o inferno a lenhite!
Na manhã seguinte separámo-nos; eu voltei novamente para o meu mundo da escrita, levando comigo a ferida incurável feita por essa flecha cruel a que, à falta de nome melhor, nós chamamos espírito. Ele dirigiu-se para o norte, para ir ter à Sérvia, a uma montanha perto de Skopia, onde parece que descobriu uma rica veia de leucolite, levou à certa alguns ricaços, comprou ferramentas, contratou operários e pôs-se a abrir galerias na terra. Dinamitou os rochedos, fez estradas, canalizou a água, construiu uma casa, e, como era um velho ainda rijo, casou com uma linda viúva alegre, Liuba, de quem teve um filho.  
.

.
in "Carta a Greco"
de Nikos Kazantzaki

.
.

Disse  Nikos Kazantzaki:  O que não existe é aquilo que ainda não desejámos bastante !
.
.


publicado por eva às 12:04

link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito

Domingo, 23 de Novembro de 2008

Nikos Kazantzaki # Carta a Greco

.

.
Três espécies de almas, três orações:
.
........a) Sou um arco nas tuas mãos, Senhor; curva-me, senão apodrecerei.


........b) Não me curves demasiado, Senhor; posso quebrar.


........c) Curva-me até onde desejares, Senhor; e tanto pior se eu quebrar.




 

.....Ergui os olhos, fitei-te. Ia dizer-te:
.....- Avô, é verdade que não há salvação? – Mas a língua prendeu-se-me. E quando tentei aproximar-me de ti, os joelhos fraquejaram.
.....Então, estendeste a mão, como se eu me afogasse e quisesses salvar-me. Agarrei-a àvidamente: ela estava salpicada de manchas multicolores; queimava. Toquei-lhe, ela deu-me força, um impulso, e pude falar.
.....- Avô – disse –, dá-me as tuas ordens.
.....Tu sorriste, puseste a mão sobre a minha cabeça. Não era mão, era um fogo multicolor. E esse fogo derramou-se até às raízes do meu espírito.
.....- Vai até onde puderes, meu filho...
.....A tua voz era grave, sombria, como se saísse da garganta profunda da terra.
.....Atingira as raízes do meu cérebro, mas o meu coração não acusou qualquer sobressalto.
.....- Avô – gritei então com voz mais forte – dá-me uma ordem mais difícil, mais cretense.
.....E, bruscamente, mal o tinha dito, uma chama cortou o ar. Assobiando, o antepassado indomável com cabeleira entrelaçada de raízes de tomilho desapareceu da minha vista: no alto do Sinai apenas restava uma voz imperiosa, que fazia estremecer o ar.
.....- Vai até onde não puderes.
……………………………………...............................
Lembras-te daquelas palavras terríveis que nós, os cretenses, costumamos dizer: - «Volta aonde fracassaste; foge do lugar onde venceste!» Se fracassei e me sobrar ainda uma hora de vida, recomeçarei; se venci, abrirei a terra para vir deitar-me ao pé de ti.
.....Aqui tens, pois, o meu relato, general, e julga.
.....Escuta, Avô, o relato da minha vida; e se na verdade combati contigo, se fui ferido sem que ninguém se apercebesse que sofria, se nunca voltei as costas ao inimigo – dá-me a tua bênção.
.
.
in "Carta a Greco"
de Nikos Kazantzaki

.
.

Disse  Nikos Kazantzaki:  Toda a minha vida é um grito e toda a minha obra a interpretação desse grito !
.
.


publicado por eva às 00:28

link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito

Domingo, 31 de Dezembro de 2006

Nikos Kazantzaki # Carta a Greco

31 de dezembro de 2006

Ergui os olhos, fitei-te. Ia dizer-te:
- Avô, é verdade que não há salvação? - Mas a língua prendeu-se-me. E quando tentei aproximar-me de ti, os joelhos fraquejaram.
Então, estendeste a mão, como se eu me afogasse e quisesses salvar-me. Agarrei-a àvidamente: ela estava salpicada de manchas multicolores; queimava. Toquei-lhe, ela deu-me força, um impulso, e pude falar.
- Avô - disse -, dá-me as tuas ordens.
Tu sorriste, puseste a mão sobre a minha cabeça. Não era mão, era um fogo multicolor. E esse fogo derramou-se até às raízes do meu espírito.
- Vai até onde puderes, meu filho...
A tua voz era grave, sombria, como se saísse da garganta profunda da terra.
Atingira as raízes do meu cérebro, mas o meu coração não acusou qualquer sobressalto.
- Avô - gritei então com voz mais forte - dá-me uma ordem mais difícil, mais cretense.
E, bruscamente, mal o tinha dito, uma chama cortou o ar. Assobiando, o antepassado indomável com cabeleira entrelaçada de raízes de tomilho desapareceu da minha vista: no alto do Sinai apenas restava uma voz imperiosa, que fazia estremecer o ar.
- Vai até onde não puderes.
.

in "Carta a Greco"
de Nikos Kazantzaki

.

publicado por eva às 20:34

link do post | comentar | favorito

Domingo, 26 de Novembro de 2006

S. Paulo # A caridade

26 de novembro de 2006

Ainda que eu fale as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver caridade, sou como bronze que ressoa, ou como címbalo que tine.
Ainda que eu tenha o dom da profecia e conheça todos os mistérios e toda a ciência, ainda que possua a fé em plenitude, a ponto de transportar montanhas, se não tiver caridade, nada sou.
Ainda que distribua todos os meus bens em esmolas e entregue o meu corpo a fim de ser queimado, se não tiver caridade, de nada me aproveita.
A caridade é paciente, a caridade é benigna, não é invejosa; a caridade não se ufana, não se ensoberbece, não é inconveniente, não procura o seu interesse, não se irrita, não suspeita mal, não se alegra com a injustiça, mas rejubila com a verdade.

Tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
... ...

Agora subsistem estas três: A fé, a esperança e a caridade; mas a maior delas é a caridade.
.
in "Bíblia Sagrada", Difusora Bíblica (Missionários Capuchinhos), 1968
de 1ª Carta aos Coríntios, Capítulo 13, versículos 1 a 13 e 17
.
.
 

publicado por eva às 15:27

link do post | comentar | favorito


. ESCRITOS de EVA

Bem vindos! Namastê!

. Reflexão

Aquilo que pensas ser o cume é apenas mais um degrau - Séneca

. mais sobre mim

. Junho 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


. pesquisar

 

. links

. Alguns favoritos (mais em Ver Perfil)

. A Casa do Passal - Cabana...

. Aristides de Sousa Mendes...

. Maria João Brito de Sousa...

. Sophia de Mello Breyner A...

. Mercedes Sosa

. Jalal Rumi # A evolução d...

. Cecília Meireles # A arte...

. Cecília Meireles # Cântic...

. Teilhard de Chardin # O M...

. Natália Correia # Ó Véspe...

. tags

. todas as tags

. Simpatias recebidas

@@@@@@@@@@@@@@@ Campanha da Amizade, amizade de Aida Nuno @@@@@@@@@@@@@@@ É um blog muito bom, sim senhora! , amizade de Coffee Cup @@@@@@@@@@@@@@@ Prémio Dardos, amizade de Lady Magenta, poetaporkedeusker, Velucia @@@@@@@@@@@@@@@ Blog de Ouro, amizade de poetaporkedeusker, Maria José Rijo, Velucia @@@@@@@@@@@@@@@ Prémio Magic Blog, amizade de Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Prémio Seu Blog tem Néctar, amizade de poetaporkedeusker @@@@@@@@@@@@@@@ Prémio Mimo Samoga, amizade de poetaporkedeusker @@@@@@@@@@@@@@@ Prémio Medalha de Ouro, amizade de poetaporkedeusker @@@@@@@@@@@@@@@ Selo Best Blog, amizade de Alice Alfazema
blogs SAPO

. subscrever feeds