Eva diz o que sonha (e não só) sem alinhamento a políticas ou crenças conformes às instituições que conhecemos. Momentos de leveza, felicidade ou inspiração para melhorar cada dia com bons pensamentos. Um texto, uma imagem... para todas as idades

. posts recentes

. Esta viagem chegou ao fim

. Tranquilidade e paz

. A cada um suas escolhas

. Quando os elementos se en...

. Ficar só

. Caminhos

. Ajudas

. Conviver

. Violetas

. Outro tipo de império pos...

. Famílias

. Modos de ver

. Há dias assim

. Emoções e relações

. Simbolismos

. Tudo tem importância

. Hábitos e mudanças

. Juventude em viver

. Olhares

. Dúvidas e perguntas

. Fátima, lugar de devoção

. Coisas bonitas que alegra...

. Estudantes e queima das f...

. O nosso planeta reflete o...

. Como as flores

. arquivos

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. links

Terça-feira, 21 de Dezembro de 2010

Queremos sempre o que os outros têm

- á ‘tá!

- Já ‘tá o quê, ‘miga?

- Já está internado, o qu’ hav’ria d’ ser.

- Quem?

- O doente d’ q’arto ao lado, deram-lhe as palpit’ções e me’ ‘migo lá vai ‘le.

- E’tão e ‘gora?

- ‘gora nã’ se’, nã’ so’ méd’ca, nã’ tenh’ nad’ a ver com iss’.

- Ma’ nã’ tens pena nem nad’?

- Nã’! é um ‘lívio, isso sim.

- Par’ qu’ fazes ess’s trabalhos  se nã’ gostas?

- E’tão o trabalho é p’ra se gostar, ora tu? Faço-o bem fe’to qu’ é minh’ obrigaçã’, o rest’ log’ se vê, ora!

- Felizes os qu’ gosta’ do trabalh’ qu’ fazem!

- Ora, ‘miga nã’ há disso!

- Há sim, garanto qu’ há.

- E’tão devem ser muito felizes ess’s e se calhar nem sabem a sort’ qu’ têm.

- A maior parte nã’ ‘valia bem iss’, não.

- Mas iss’ ‘contece por tod’ lad’, só s’ ‘valia a sorte qu’ se tem quand’ se perde. Só queremos sempre o qu’ os outros têm, nã’ é verdade?

- Pois, sã’ raros os qu’ gostam do qu’ têm e vivem felizes.

- E ‘final é só iss’ o necessário p’ra viver bem, pois nã’ é ‘miga?

- Quem dera ‘miga!



publicado por eva às 00:36

link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito

Segunda-feira, 20 de Dezembro de 2010

Laços de sangue

aços de sangue

São resoluções de crimes

São resoluções de ódios

São saudades e amor

Juntos são redenção

E são oportunidade feliz

Juntos são o que são

São o que conseguem ser

O que ainda são

O que já podem ser

Juntos são outra vida

E em outras vidas são

Oportunidades de felicidade

 


publicado por eva às 00:31

link do post | comentar | favorito

Domingo, 19 de Dezembro de 2010

O silêncio não tem nada de simples

ilêncio!

Que silêncio há aqui, que é isto afinal?

Ah, então é isso?

Mas gosto!

Então porque não me calo?

Porque…

Acho que não consigo fazer silêncio em mim.

Gosto de sentir esta força

Não pensei que o silêncio tivesse tanta força

Mas… por outro lado… não suporto bem essa força

Acho que vai desabar algo dentro de mim

E assusta-me.

Porque não fico mais vezes em silêncio comigo?

Acho que nunca fiquei, assusta-me!

Talvez? Talvez seja isso

A pureza do silêncio completo!

O simples silêncio não tem nada de simples!

Vou tentar… oh, sim! Vou tentar encontrar esse silêncio em mim.

 


publicado por eva às 00:38

link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

Sábado, 18 de Dezembro de 2010

O tempo certo

ush e Mimi estão a passear no relvado com a pachorrentice própria de tartarugas fora de água.

Vão esticando o pescoço estilo olho de submarino a querer ver a superfície.

Sentem-no mas não o vêem e por isso movem-se ainda mais lentamente.

E Miau espreita, efectivamente, como uma estátua muito perto delas.

Acho que nem respira, só as olha tão espantado como elas estariam se pudessem vê-lo.

Mas ele fixou-se como se fizesse parte da paisagem desde sempre, completamente imóvel por baixo do banco de pedra do jardim.

Elas vão andando no seu passeio da tarde, nem muito juntas nem muito afastadas. Hush vai espreitando melhor as redondezas e vigiando Mimi, mais pequena e entusiasmada.

E… dá olho no olho dele. Pára, quedo também, nem se mete na carapaça. Nem acredita que se possa ter aproximado tanto daquele bicho que actua com as garras com habilidade fantástica. De soslaio, sem mover a cabeça consegue vislumbrar Mimi já a passar da relva para o empedrado.

Olho no olho outra vez. Mas porque o gato não o ataca ou à Mimi?

Olho no olho percebe o medo que provoca no Miau. Então é isso!

Ele, tão hábil, não percebe que são simples tartarugas que nem conseguem mexer-se bem com uma carapaça tão forte e pesada, como o abrigo seguro que esta é quando o necessitam.

Algum, deles dois, vai ter que se mexer, mas por ora mais vale deixar Mimi brincar livremente no jardim, entre a pedra e a relva. Ela adora aquilo! E assim que se cansar vai a correr para o seu lago e refresca, mergulha e fica a nadar o resto do dia.

É só esperar que o ambiente mude, então ele enfia-se na carapaça ou vai recuando até ao seu querido lago.

É só esperar atentamente por algum indício de mudança… ou muda-se ele, Hush, quando o tempo certo chegar!

É só esperar o tempo certo para a mudança e aproveitar bem a oportunidade.

 


publicado por eva às 00:35

link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

Sexta-feira, 17 de Dezembro de 2010

Confiar no Pai

ai é um condutor, é um chefe;

Alguém de confiança em quem confiamos a nossa direcção;

Por anos a fio confiamos no seu discernimento;

No seu sacrifício de chefe;

Confiamos na sua força;

Na sua lealdade para com os princípios morais e convenientes;

Em família e sociedade;

Confiamos na sua defesa para connosco;

Confiamos que nosso pai seja um verdadeiro Pai;

Desejamos que nosso pai seja um pai assim;

Desejamos ser um pai assim!

Confiamos!

 


publicado por eva às 00:32

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Quinta-feira, 16 de Dezembro de 2010

A força da esperança

e já vi aqueles louva-a-deus? Nem sei o que são!

Ah, aqueles insectos! E para que servem? Digo, que utilidade têm na natureza?

Porque tudo é útil na natureza, pois não é?

Então para que servem?

Para nos inspirarmos? Essa agora!

Neste mundo de hoje não há contemplações!

Quem disse? Digo eu, dizemos todos? Não ouviste falar da crise?

Da financeira ou da económica?

Nada disso, da nossa crise, de nós, da nossa falha de esperança.

Esperança, sim! Ainda ontem vi um filme que retratava precisamente a força da esperança.

Pois claro que não é só para manter vivo um ser nas piores circunstâncias. Deverá servir para ser um móbil de progresso e sucesso. Algo que nos sustenta e faz sonhar…

Não, não esses sonhos de riqueza. Os sonhos de maravilhas e do maravilhoso que existe…

Algures? Pois, será algures, mas existe! E todos poderemos ser maravilhosos, um dia!

Não, não por um dia, mas a partir de um dia!

 


publicado por eva às 00:34

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Quarta-feira, 15 de Dezembro de 2010

O nunca não existe

- unca!

- Olha, começa por aprender que o nunca não existe!

- Hã?

- É isso que te digo – o nunca não existe! Tudo, mas absolutamente tudo é possível de acontecer. O mais evidente hoje poderá ser a maior falsidade amanhã, o que hoje é seguramente nosso amanhã pode perder-se como se nunca tivesse existido, a melhor amizade de hoje pode chegar a ser desconhecida ou até a querer ser olvidada, o melhor emprego pode desaparecer simplesmente, e por aí afora.

- Então não vale a pena lutar pelas coisas?

- Vale a pena empreender bons projectos e responsabilidades, mas não achar que se é o dono do mundo, porque ninguém o é. Há leis cósmicas que nos ultrapassam e quando nascemos já havia quase tudo o que actualmente nos rodeia. Por isso deixemos veleidades para trás e prossigamos o caminho das nossas vidas com o melhor de nós.

- Aceitando tudo?

- Aceitando as vicissitudes e alegrias que vamos tendo e ajudando-nos a valorizar o melhor de nós, da humildade ao amor fraterno e compassivo.

- Então em vez de nunca

- Talvez seja melhor pensar que poderá haver outras soluções, premissas não revistas e outras possibilidades ainda desconhecidas – sempre!

- Então… até sempre!

- Até amanhã!

 


publicado por eva às 00:36

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Terça-feira, 14 de Dezembro de 2010

Interiorização

entes um vento? Não?

Ah! Sentes o vento.

Mas esse vento eu não sinto, eu sinto um vento.

Não, não é ventania, é um vento. Pois!

Se está dia ventoso, por aqui? Sei lá, não estou na rua, estou em casa.

Então como sinto eu o vento? Se o oiço pelas janelas?

Que disparate, já disse que não sinto o vento da rua!

Pois não! Então afinal que vento é este que eu falo? Ora!

O vento que falo - isto mais parece uma conversa surda que outra

Bem, o vento a que eu me refiro é este vento no meu corpo.

Se tenho febre? Não tenho febre nenhuma!

Vais dizer que nunca sentiste vento dentro de ti, a estremecer todos os teus órgãos, como se o corpo fosse atravessado por uma rajada de vento?

Se vai para baixo ou para cima? Sei lá, acho que rodopia e segue em várias direcções e volta… Pois, a bem dizer é um vendaval cá dentro de mim.

Queres que vá ao médico? Porquê, tu não sentes isto?

O quê? Ninguém sente? Mas por onde andas tu?

Está lá? Está? Oh! Já desligaste.

 


publicado por eva às 00:38

link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 13 de Dezembro de 2010

Dar e receber

bracei-o

Abracei-a

E esses abraços voltaram para mim

E encheram-se de energia boa

Então percebi que tudo

O que dou recebo aumentado

Mas não posso dar nesse interesse

Apenas dar

Com desinteresse meu

E muito carinho pelo outro

Descobri que se pode abraçar o planeta

O universo com estrelas escuridão e tudo

E senti toda a paz do amor que volta

Do dever cumprido

Da volta aumentada

Do carinho amoroso do abraço.

 


publicado por eva às 00:36

link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

Domingo, 12 de Dezembro de 2010

Conversa de surdos

- abedoria – é o que te digo!

- Mas… e quem a tem?

- Todos! Cada um tem a sua, a que lhe é possível ter, a que obtém a cada vez que procura…

- Procura? Procura o quê?

- Nem mais! Olha, eu procuro um lugar para me abrigar da chuva, que esta cai sem piedade!

- Mas… não chove nem um pingo!

- Essa agora!

- Pelo menos eu não sinto nem vejo chuva nenhuma e estou a teu lado. Como fazes isso?

- Mas isso o quê, senhores, se estou encharcado até aos ossos e tu pr’a aí a falar que nem chove!

- Ou tu ou eu estamos mal da cabeça ou a mentir com quantos dentes temos.

- Olha, ficamos aqui um bocadinho neste telheiro e depois continuas com as tuas razões. Agora paramos um pouco de correr e esperamos que a chuva abrande.

- Mas… qual chuva?

- Ai ai! Isto ainda acaba em zanga. Olha o melhor é seguirmos cada qual o seu caminho, ou seja o caminho mais curto para o trabalho. Amanhã é outro dia e talvez percebas melhor o mundo em que estás. Até amanhã! (isto só visto! Só a mim acontecem destas! Conversa de surdos, é o que é!)

- Eh, pá! Estava a brincar contigo, a ver se te irritavas ou assim. Era só pela piada! Mas nem reagiste com piada, assim não valeu a pena, segue o teu caminho sem apreensões. Estou bem do juízo estou. Adeus!

- (ai, não estás não!)

 


publicado por eva às 00:39

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

. ESCRITOS de EVA

Bem vindos! Namastê!

. Reflexão

Aquilo que pensas ser o cume é apenas mais um degrau - Séneca

. mais sobre mim

. Junho 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


. pesquisar

 

. links

. Alguns favoritos (mais em Ver Perfil)

. A Casa do Passal - Cabana...

. Aristides de Sousa Mendes...

. Maria João Brito de Sousa...

. Sophia de Mello Breyner A...

. Mercedes Sosa

. Jalal Rumi # A evolução d...

. Cecília Meireles # A arte...

. Cecília Meireles # Cântic...

. Teilhard de Chardin # O M...

. Natália Correia # Ó Véspe...

. tags

. todas as tags

. Simpatias recebidas

@@@@@@@@@@@@@@@ Campanha da Amizade, amizade de Aida Nuno @@@@@@@@@@@@@@@ É um blog muito bom, sim senhora! , amizade de Coffee Cup @@@@@@@@@@@@@@@ Prémio Dardos, amizade de Lady Magenta, poetaporkedeusker, Velucia @@@@@@@@@@@@@@@ Blog de Ouro, amizade de poetaporkedeusker, Maria José Rijo, Velucia @@@@@@@@@@@@@@@ Prémio Magic Blog, amizade de Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Prémio Seu Blog tem Néctar, amizade de poetaporkedeusker @@@@@@@@@@@@@@@ Prémio Mimo Samoga, amizade de poetaporkedeusker @@@@@@@@@@@@@@@ Prémio Medalha de Ouro, amizade de poetaporkedeusker @@@@@@@@@@@@@@@ Selo Best Blog, amizade de Alice Alfazema
blogs SAPO

. subscrever feeds