Eva diz o que sonha (e não só) sem alinhamento a políticas ou crenças conformes às instituições que conhecemos. Momentos de leveza, felicidade ou inspiração para melhorar cada dia com bons pensamentos. Um texto, uma imagem... para todas as idades

. posts recentes

. Esta viagem chegou ao fim

. Tranquilidade e paz

. A cada um suas escolhas

. Quando os elementos se en...

. Ficar só

. Caminhos

. Ajudas

. Conviver

. Violetas

. Outro tipo de império pos...

. Famílias

. Modos de ver

. Há dias assim

. Emoções e relações

. Simbolismos

. Tudo tem importância

. Hábitos e mudanças

. Juventude em viver

. Olhares

. Dúvidas e perguntas

. Fátima, lugar de devoção

. Coisas bonitas que alegra...

. Estudantes e queima das f...

. O nosso planeta reflete o...

. Como as flores

. arquivos

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. links

Quarta-feira, 30 de Setembro de 2009

Outono

Estamos no fim do mês de Setembro.
Mais um mês passado a cumprir com os compromissos possíveis e a adiar os menos possíveis de resolver.
Mais um Outono que se aproxima. O Outono é a minha estação preferida pela sua calma, pelos céus rosa-alaranjados, pelas tardes cálidas e de ténues brisas, pelos frutos e por todo o ambiente de aconchego que vai proporcionando à vista do próximo Inverno.
Enfim, manias e gostos que ficam da infância e que vão perfazendo o quotidiano pessoal.
Setembro é também o mês de regresso ao trabalho, às escolas, colégios e estudos.
Bem vistas as coisas nós estudamos todo o ano, com ou sem livros porque a vida é isso mesmo – um estudo dela e de nós, viventes-vivendo.
A nossa memória tudo capta, recolhe como uma máquina fotográfica todas as imagens e como um gravador regista todos os sons, todas as impressões que vamos tendo e sentindo com menor ou maior amplitude.
A memória é um computador-mãe gigantesco e precioso e, como tal, é passível de ter ou grandes alterações ou alterações muito sensíveis.
O facto de reproduzir de modo perceptível o que regista é, ainda, outra questão porque, por exemplo, muitos dos que sofrem de perturbações mentais padecem de distúrbios na organização final dos pensamentos com a tradução destes nas realidades ambientais e sociais.
Contudo, o indivíduo pode viver a sua realidade com forte alheamento da vulgar realidade social onde se insere o seu dia-a-dia sem problemas de maior para ele próprio.
- É um ET na comunidade!- É simplesmente diferente da maioria e, sem dúvida, que pode causar muita alteração em todos os que o rodeiam, sobretudo se não conseguir suprir os meios para a sua subsistência. De qualquer modo, estamos a referir tanto os que dão mostras de menor como de maior capacidade intelectual e de inter-relacionamento social com a comunidade onde vive. Ambas as situações primam pela diferença com a generalidade.

.
.

.
Imagem retirada da net
.
.
Disse  Albert Camus:
  O Outono é outra Primavera, cada folha uma flor !
.

.


publicado por eva às 00:40

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
 O que é? |  O que é?

Terça-feira, 29 de Setembro de 2009

Desejos

Desejamos tanto, ou tanta coisa…
Desejamos por nós… e pelos outros… na proporção possível a cada um.
Desejamos fácil ou ardentemente as coisas mais fúteis como as essenciais.
O nosso discernimento, em relação à importância das coisas para nós, é uma enorme escala de valores que varia quase constantemente.
Porém, pode haver obsessões dedicadas a este ou àquele desejo em particular.
E as situações são quase sempre mais prejudiciais ao indivíduo do que construtivas.
Quando desejamos algo com empenho, esse algo chega a ser a ideia principal de um dia, de dia e noite, de vários dias ou de períodos alargados como a dedicação de anos ou parte da vida do indivíduo.
Se o desejo for sublime, então o período da vida a ele dedicado sublima-se também.
O problema é que a maior parte das vezes são desejos comezinhos e até desestruturantes dos valores da personalidade.
Daí o contributo que poderiam dar de positivo, transformar-se em desequilíbrio psíquico e noutras desordens mentais a cada dia mais funestas para a harmonia de uma personalidade saudável.
- Que dizer, então, da quantidade de comprimidos que as pessoas tomam para conseguir levar o seu dia-a-dia, com as responsabilidades que assumiram e lhes dão o pão para elas e família.
- Remédios, prostração física e mental, etc., são dramas da sociedade de hoje, quer o indivíduo seja sociável ou se isole, de modo imperceptível ou notório.
- Mas a medicina está aquém destas soluções, ou é impressão minha?
- A medicina e terapias não podem fazer mais que ajudar o indivíduo e isso pode ser o essencial como alternativa ao problema. Contudo é ele mesmo que deve arranjar as forças e a direcção correctas para gerir os seus conflitos e a sua vida. Deve ler literatura apropriada, aprender a conhecer-se e atender a si próprio com tempo dedicado a si e ao seu conhecimento íntimo.
- O que gostaria de ser?
- Ou como gostaria de ser e, afinal, como é realmente neste momento. O que desejaria para si e qual a diferença que encontra; depois deveria estabelecer as diferenças, arregaçar as mangas e atirar-se ao trabalho da recuperação de si mesmo por si próprio.
- Isso é fácil?
- Ninguém falou em facilidade, mas uma vez conseguido o objectivo, o equilíbrio instala-se e sente-se felicidade no íntimo do ser.

.
.

.
Fotograma de "Being There" (Bem-vindo Mr. Chance)
Imagem retirada da net
.
.
Disse  Mahatma Gandhi:  Faça da sua vida o reflexo da sociedade que deseja !
.

.


publicado por eva às 19:42

link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Segunda-feira, 28 de Setembro de 2009

A mente humana

A mente humana é um mundo ainda por descobrir. Porém já se conhecem alguns dos seus mecanismos, mais ou menos subtis, passíveis de alteração da personalidade.
No quadro de alteração da personalidade de modo provocado está a hipnose, muitas vezes conduzida por razões médicas para uma reorganização de padrões mentais em padrões mais positivos para o indivíduo e sua vivência pessoal ou familiar ou social.
Hoje em dia, porém, usa-se e abusa-se deste vocábulo em prol de uma felicidade imediata do indivíduo.
À parte a questão publicitária e as modas que certos tratamentos conseguem granjear, não há dúvida que tudo o que se liga ao processo do pensamento tem importância.
E essa importância é tanto maior quanto mais incauto seja, ou mal informado esteja, o indivíduo.
O pensamento é o produto de um elaborado processo de transmissão de dados, sejam emocionais, sentimentais ou de informação racional e lógica.
Pelos pensamentos que temos, assim agimos em relação a nós próprios e aos outros.
- É por isso que certas palavras que ouvimos desencadeiam em nós atitudes que não se adequam exactamente ao nosso estilo e personalidade?
- Palavras, sons e vozes, gestos e aparências, podem desencadear em nós as mais díspares emoções e atitudes imediatas, assim como podem promover acções muito elaboradas e planeadas a tempo certo que, ao serem observadas atentamente ou simplesmente mais tarde, podem não coincidir connosco nem com os nossos ideais.
- E todos podemos sofrer essas influências porque pagamos, em consultas, para isso?
- Ohh! As consultas são dirigidas, na maior parte dos casos, por médicos ou terapeutas especializados nessa área de estudo e como tal têm objectivos acordados com o paciente. Mas há situações em que essa especialização se torna algo duvidosa, sobretudo se os estudos não existem propriamente com carácter científico ou se a personalidade de quem a exerce não adquiriu o nível ético necessário para tal trabalho. Porém, toda a atmosfera que respiramos contém energias de pensamentos a que, na generalidade, se chama noosfera…
- Já ouvi falar desses estudos e da influência que essa atmosfera, produto de pensamentos, pode exercer telepaticamente em lugares, regiões e sociedades inteiras.
- O indivíduo deve fazer prevalecer sempre a sua moral, a sua ética, para si e para os outros com a maior consciência e lucidez que lhe for possível.
- Pois, pois! Até Jesus disse algo assim -
com a mesma medida que julgardes assim sereis julgados.
.
.

.
Imagem retirada da net
.
.
Disse  Teilhard de Chardin:  Debaixo do invólucro banal das coisas, de todos os nossos esforços purificados e autênticos é que se gera gradualmente a Terra nova !
.

.


publicado por eva às 00:29

link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Domingo, 27 de Setembro de 2009

Alberto Caeiro # Da mais alta janela da minha casa

.
Da mais alta janela da minha casa
Com um lenço branco digo adeus
Aos meus versos que partem para a Humanidade.

E não estou alegre nem triste.
Esse é o destino dos versos.
Escrevi-os e devo mostrá-los a todos
Porque não posso fazer o contrário
Como a flor não pode esconder a cor,
Nem o rio esconder que corre,
Nem a árvore esconder que dá fruto.

Ei-los que vão já longe como que na diligência
E eu sem querer sinto pena
Como uma dor no corpo.

Quem sabe quem os terá?
Quem sabe a que mãos irão?

Flor, colheu-me o meu destino para os olhos.
Árvore, arrancaram-me os frutos para as bocas.
Rio, o destino da minha água era não ficar em mim.
Submeto-me e sinto-me quase alegre,
Quase alegre como quem se cansa de estar triste.

Ide, ide de mim!
Passa a árvore e fica dispersa pela Natureza.
Murcha a flor e o seu pó dura sempre.
Corre o rio e entra no mar e a sua água é sempre a que foi sua.

Passo e fico, como o Universo.

..
. 
in "O Guardador de Rebanhos", Poema XLVIII, de Alberto Caeiro
.
.
Disse  Alberto Caeiro:  Se há outras matérias e outros mundos - Haja !
.

.


publicado por eva às 00:44

link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Sábado, 26 de Setembro de 2009

Reuniões

Pessoas que se juntam e reúnem conforme os seus objectivos ideais, ou conjugação de tempos comuns, ou ainda e tão simplesmente por falta de objectivos e fins no seu dia-a-dia.
Reuniões que podem ser de discussões fúteis, as típicas discussões do sexo dos anjos.
Ou reuniões de discussões sem contenda, de esclarecimento mútuo para todos quantos os que necessitem, ou apreciem, declarações claras e lúcidas de conceitos para o bem comum.
Daí, poderem classificarem-se as reuniões de ociosas ou duvidosas e de construtivas ou positivas.
As reuniões segundo ideais mais vocacionados para o bem comum têm a sua estrutura na harmonia de conceitos que são, depois, praticados por regras equilibradas e que levam a desenvolvimentos tão criteriosos quanto continuados.
Isto é, reuniões de indivíduos com pensamentos semelhantes para a instituição de regras e condições para o bem comum e progresso não só da humanidade como do universo de que somos uma ínfima parte com responsabilidades afins.
- Estás a falar de política e governos?
- Estou a falar de desprendimento material e de abnegação ideal pela felicidade individual e colectiva.
- Isso existe? Com as notícias que vamos tendo…
- Ainda existe e sempre existirão seres esperançosos, abnegados e beneficentes!

.
.

.
Baden Powell e o chefe sioux Dr. Eastman
(colecção do Reverendo Charlie T. Wood)
Imagem retirada da net
.
.
Disse  Baden Powell:  O melhor meio de alcançar a felicidade é contribuir para a felicidade dos outros !
.

.


publicado por eva às 00:36

link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Sexta-feira, 25 de Setembro de 2009

Nível evolutivo

- Já viste o anúncio, ali à entrada principal?
- Pois não vi nada e entrei como de costume.
- Isso é o que a maioria faz, passa pelas coisas sem as notar seguindo o carreiro de todos os dias.
- Que queres? É a rotina que se impõe facilitando mais de metade do dia e se não fosse assim, se calhar, não faríamos também metade das coisas.
- Sem dúvida que tudo tem a sua utilidade e a rotina tem a seu cargo relativizar o fardo das tarefas repetidas. Mas deixar que a rotina se instale completamente não é útil. Voltando ao anúncio, o que ele refere é uma lista de preceitos a ter em conta para evitar a fácil disseminação da gripe A.
- Bem, realmente a maioria das pessoas só agora toma consciência da necessidade e importância de preceitos, que não são mais que preceitos de higiene, no seu dia-a-dia.
- Pois, para a grande maioria nem há percepção de vivermos épocas de vírus e bactérias desconhecidas que se alteram e disseminam à velocidade da luz. Continuam a não dar importância ao manuseamento de lixos e detritos, domésticos ou não, à limpeza dos lugares públicos que frequentam e continuam a conspurcar os lugares comuns.
- Ainda ontem, um jovem, com licenciatura e mais estudos e com cargo de direcção numa empresa, atirava pela janela da sua casa papéis para o jardim em baixo, dos vizinhos, sem sequer se dignar a ir ver as consequências do que fazia.
- É evidente que o problema não é da instrução, mas da moral individual, da educação familiar e de grupo de amizades. Há pessoas, ainda hoje, iletradas e que tolhidas ou não pela idade e doença são incapazes desse ou doutros gestos tais.
- Ou por epidemias e medos, ou por clareza moral e mental as pessoas vão aprendendo a comportar-se civilizadamente, seja em comportamento individual seja em comportamento social.
- É por isso que alguns estão envolvidos em esferas luminosas e brilhantes à sua volta, mesmo atravessando momentos de grande infelicidade e outros nem tanto, nem pouco mais ou menos…
- É tudo uma questão de nível evolutivo.
- Todavia, todos hão-de chegar ao porto de destino com o mesmo êxito no tempo justo de cada um.

.
.

.
Imagem retirada da net
.
.
Disse  Edward Gibbon:  Todo o homem recebe duas espécies de educação: a que lhe é dada pelos outros, e, muito mais importante, a que ele dá a si mesmo !
.

.


publicado por eva às 00:33

link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Quinta-feira, 24 de Setembro de 2009

Por igorância

Ah! A ignorância é muito triste!
Por ignorância podemos prejudicar outros que amamos e a nós mesmos.
Por ignorância podemos ficar quietos nos momentos certos de avançar.
Por ignorância podemos sobreviver em vez de viver.
E por ignorância podemos nem sequer perceber tudo o que precisamos aprender e conhecer.
Na ignorância sentimos tristeza e amargura em vez de estabelecer prioridades de acção, nas palavras e nos pensamentos.
Na ignorância permitimos pensares e pensamentos que acabrunham e restringem ainda mais a nossa pobre mente.
Na ignorância estacionamos tanto ou mais do que ao errarmos. Porque errando podemos ter o vislumbre da situação errada (1) e ter a vontade de corrigir.
Na ignorância nem isso vislumbramos; pelo contrário, identificamos e aceitamos tudo como correcto, sem necessidade de alteração.
- A ignorância é uma venda nos olhos?
- Nos olhos da mente… a ignorância pode ser, ainda, como um véu que nos cobre completamente.

(1) - utilizamos erro e errado pela simplicidade dos termos e concomitante simplificação de conceitos

.
.

.
Imagem retirada da net
.
.
Diz o Bhagavad Gītā:  A humanidade erra por ter a sua consciência submersa na ignorância !
.

.


publicado por eva às 00:33

link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Quarta-feira, 23 de Setembro de 2009

A diferença

As nossas vontades são as nossas impaciências. A serenidade inclui paciência.
- Queres dizer que não devemos ter vontade de nada?
- Quero dizer que devemos ter objectivos e tentar cumpri-los e para isso tão-somente é necessário a serenidade para ver com clareza o que é necessário fazer da nossa parte. A impaciência pode levar-nos agir de modo diferente ao modo mais adequado e íntegro. Quando apenas queremos conseguir algo temos tendência para atropelar tudo o que aparece no caminho a contrariar essa vontade.
- Então a diferença está em agir de modo mais ou menos pensado, reflectido?
- Não, a diferença está em agir conforme a nossa moral e segundo os nossos objectivos, sabendo dosear com rectidão a espera e a acção do trabalho.
- Rectidão de princípios?
- Rectidão é rectidão de tudo – de pensamentos, de acções, por nós, pelos outros, pelo ambiente que nos rodeia. Devemos tentar agir bem sem perturbar a ordem existente de modo compulsivo. Tudo pode melhorar-se paulatinamente, sem brusquidão e com segurança. Como num puzzle, todas as peças têm o seu lugar certo e quanto mais peças são colocadas mais se ajeitam as que foram mal colocadas e as que estão ainda fora do sítio.
- Adeus, lembrei-me que ainda não terminei o meu…
- …?
- O meu puzzle!

.
.

.
Rob Gonsalves - No Labirinto
Imagem retirada da net
.
.
Disse  Lewis Carroll:
  Quem sou eu neste mundo? Ah, esse é o grande puzzle !
.

.


publicado por eva às 00:38

link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Terça-feira, 22 de Setembro de 2009

Vicissitudes

- Pois é verdade, ela tem sofrido tanto… mas tanto!
- Eu acho que o que ela tem são sentires traumatizantes até dizer chega!
- Queres dizer que ela sofre assim porque quer?
- Que ideia! Não, o que quero dizer é que ela não se desprende de si, dos seus sofrimentos. Isto é, não releva de si que tudo é passageiro, que temos obstáculos para serem ultrapassados. Não para serem ultrapassados como rochedos intransponíveis e depois ficarmos a chorar em cima deles, estacionados, porque tivemos tais problemas.
- Queres dizer que é preciso desligarmos as emoções?
- Não! Quero dizer que as devemos poder dosear de modo a que as dificuldades não nos firam mais do que as dores que já temos que aguentar. Mas… nem sempre, ou quase nunca, o conseguimos fazer com êxito e ainda menos à primeira tentativa.
- Então o que nos resta? Porque todos passamos vicissitudes…
- Oh! Sim, todos passamos por muitas dificuldades. Para uns são realidades físicas, para outros são lucubrações mentais.
- Quais são as mais difíceis?
- Não se trata disso! Primeiro aparecem umas e depois de resolvidas aparecem as outras, como para cimentar o conhecimento destas no mais íntimo do ser. Sem mais dúvidas quanto à atitude correcta a tomar.
- Mas um dia tudo acaba?!
- Um dia todos os problemas, conforme os conhecemos, são resolvidos e outros, cada vez mais subtis aparecerão para ser resolvidos – um dia para viver de modo mas subtil a cada vez!

.
.

.
Imagem retirada da net
.
.
Diz  um  Provérbio russo:   Ter saudades do passado é correr atrás do vento !
.

.


publicado por eva às 00:40

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
 O que é? |  O que é?

Segunda-feira, 21 de Setembro de 2009

Mundovisão

- Ora cá estamos nós no cafezinho e na conversa…
- Para quem pode, pois!
- Para quem pode e para quem quer, porque muitos há que não querem sequer sair de casa.
- E outros há que não querem conviver, preferem estar sozinhos e isolados.
- Isolado não está ninguém, e sozinho menos ainda. Estão com os seus pensares e seus pensamentos.
- Queres dizer a capacidade, melhor ou pior, de formular pensamentos e depois vivê-los…
- Isso é assim mais ou menos. Porque o modo de formular os pensamentos tem a ver com a capacidade de ver o mundo e de o interpretar com mais ou menos compreensão, paciência e, porque não dizê-lo, mais ou menos carinhosamente. Porque a melhor maneira, a mais construtiva, de encarar o que nos rodeia e acontece é encarar tudo pela óptica do maravilhoso. É compreender os que ainda não conseguem e os que já conseguem ser mais dignos de si mesmos. É amar os menos evoluídos espiritualmente com toda a nossa compaixão e compreensão de que um dia serão melhores, e os mais evoluídos que nos dão o ânimo que necessitamos, às vezes uma necessidade igual ao ar para respirar.
- Mesmo quando só a presença ou aproximação nos irrita ou apavora?
- Mesmo nessas situações dramáticas se conseguirmos pressentir o maravilhoso em nós, conseguimos relevar todas as situações. E os dias serão muito mais fáceis de ultrapassar.

.
.
.

Fotograma de As Crónicas de Nárnia: O Príncipe Caspian
Imagem retirada da net
.
.
Disse  André Breton:  Digamo-lo claramente de uma vez por todas: o maravilhoso é sempre belo !
.

.


publicado por eva às 19:32

link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

. ESCRITOS de EVA

Bem vindos! Namastê!

. Reflexão

Aquilo que pensas ser o cume é apenas mais um degrau - Séneca

. mais sobre mim

. Junho 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


. pesquisar

 

. links

. Alguns favoritos (mais em Ver Perfil)

. A Casa do Passal - Cabana...

. Aristides de Sousa Mendes...

. Maria João Brito de Sousa...

. Sophia de Mello Breyner A...

. Mercedes Sosa

. Jalal Rumi # A evolução d...

. Cecília Meireles # A arte...

. Cecília Meireles # Cântic...

. Teilhard de Chardin # O M...

. Natália Correia # Ó Véspe...

. tags

. todas as tags

. Simpatias recebidas

@@@@@@@@@@@@@@@ Campanha da Amizade, amizade de Aida Nuno @@@@@@@@@@@@@@@ É um blog muito bom, sim senhora! , amizade de Coffee Cup @@@@@@@@@@@@@@@ Prémio Dardos, amizade de Lady Magenta, poetaporkedeusker, Velucia @@@@@@@@@@@@@@@ Blog de Ouro, amizade de poetaporkedeusker, Maria José Rijo, Velucia @@@@@@@@@@@@@@@ Prémio Magic Blog, amizade de Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Prémio Seu Blog tem Néctar, amizade de poetaporkedeusker @@@@@@@@@@@@@@@ Prémio Mimo Samoga, amizade de poetaporkedeusker @@@@@@@@@@@@@@@ Prémio Medalha de Ouro, amizade de poetaporkedeusker @@@@@@@@@@@@@@@ Selo Best Blog, amizade de Alice Alfazema
blogs SAPO

. subscrever feeds