Eva diz o que sonha (e não só) sem alinhamento a políticas ou crenças conformes às instituições que conhecemos. Momentos de leveza, felicidade ou inspiração para melhorar cada dia com bons pensamentos. Um texto, uma imagem... para todas as idades

. posts recentes

. Esta viagem chegou ao fim

. Tranquilidade e paz

. A cada um suas escolhas

. Quando os elementos se en...

. Ficar só

. Caminhos

. Ajudas

. Conviver

. Violetas

. Outro tipo de império pos...

. Famílias

. Modos de ver

. Há dias assim

. Emoções e relações

. Simbolismos

. Tudo tem importância

. Hábitos e mudanças

. Juventude em viver

. Olhares

. Dúvidas e perguntas

. Fátima, lugar de devoção

. Coisas bonitas que alegra...

. Estudantes e queima das f...

. O nosso planeta reflete o...

. Como as flores

. arquivos

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. links

Sexta-feira, 30 de Junho de 2006

Dia de praia

30 de junho de 2006

Dia aprazado para a praia. Dia lindo de sol.
Dia de Verão com uma leve brisa, muito leve.
Como um véu que passa por nós enchendo-nos de paz perante a imensidão do mar, do céu.
Sobre a imensidão de azul em nossa vidas.
De azul céu, porque até as águas estavam de azul céu.
Na orla, estavam completamente transparentes.
Apetecia-me ficar ali o dia todo. A semana.
A vida inteira ali em paz, misturada naqueles tons e matizes nacarados de branco pérola, reflexos verdes não sei bem como e azul mais nítido ainda na cor ao fundo.
Pessoas estão ao Sol ou passeiam as crianças.
Os infantários já fazem presença com as crianças "arrumadas" em rodas ou em formaturas.
Caminhamos pela orla. Os sonhos sonham-se.
Aparecem as fadas dos sonhos.
Aparecem as coisas belas que amamos.
Aparecem os amores que temos, ao nosso lado.
Aparece a felicidade vestida de um dia de sol.
Afinal é tão simples ser feliz.
É estar feliz nesse momento.
Eternamente, o instante.
tags: ,

publicado por eva às 16:42

link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Quinta-feira, 29 de Junho de 2006

O bebé

29 de junho de 2006

A gruta é grande, em largura, espaço e altura.
Uma bola de luz como o Sol ilumina-a, de modo a poder ver-se uma criança-bebé em panos castanhos.
Uma mulher, que não é a mãe, está debruçada sobre ela, tanto para não chorar como para não deixar que lha levem.
Ela sabe como isso é porque foi ela que a separou da mãe e a trouxe para ali.
Mas não consegue escondê-la.
A verdadeira mãe está ali a querer tirar-lha, mesmo ali.
E o bebé como que adivinha, porque olha na sua direcção e, nesses momentos, sorri e serena o choro.
A mulher não percebe porquê, visto que o trata o melhor que pode e sabe.
Nem tem comido, nem bebido, nem nada, para não o deixar só e não se sentir abandonado.
Coitados, três seres em dívida uns pelos outros e nenhum avança na tolerância e na paz.
São momentos de aflição e desespero.
A mãe apela para a salvação do filho, mais que da sua.
E vem, então, um grupo de salvamento que encontra esta gruta, no meio de tantas iguais.
Só que esta registava um chamamento de mãe. De verdadeira maternidade.
Consciente e amorosa quanto baste. A verdadeira supremacia da mulher.

A sublimação da dádiva do amor.
Os salvadores enviam primeiro a bebé para a estação de socorro.
A seguir as duas mulheres que entretanto se ligaram entre o desespero e a dádiva.
Amigas no futuro...

publicado por eva às 20:00

link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Quarta-feira, 28 de Junho de 2006

A casa desabitada

28 de junho de 2006

Uma casa que foi habitada há muitos anos atrás.
Vagamente aparecem as pessoas habituais daquele tempo, mas em posturas de conversação que nunca existiram desse modo.
A observar tudo está um homem enorme em estatura e corpo.
Nada diz mas parece procurar alguém e fixa os seus olhos verdes claros em mim.
Quando me decido a perguntar-lhe se quer alguma coisa da mesa ou de nós, ele desaparece em pânico.
Procuro pelas escadas, depois pelas salas onde surgem pessoas de todos os lados.
Outras entretidas em conversas, parecendo dirigir-se para uma sala de congressos.
Vou lá também à procura. Pelos recantos e já na rua, continuo a procurar.
É importante encontrá-lo, mas não o vejo em lado algum.
Ah, ele veio ter comigo e está mesmo à minha frente.
De coração aberto conta que, de há muitos anos, espera naquela casa que apareça alguém para o guiar na direcção do céu-rosa.
Trata-se da sua salvação por amor e misericórdia.
Mostro-lhe o caminho. Vai a correr, talvez com a noção de já ter perdido muito tempo à espera.
Vira-se lá ao cimo e agradece-me.
Não precisa. Basta que seja feliz.
Feliz porque subiu, enfim.

publicado por eva às 23:18

link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Terça-feira, 27 de Junho de 2006

Os viajantes

27 de junho de 2006

Parece um escafandro, é um capacete cheio de fios ligados a qualquer coisa.
Limos e algas escuras por todo o lado.
Os enfermeiros e médicos estão a desligar-lhe os fios e o dito capacete com todo o cuidado.
Metódica e lentamente, vão verificando tudo.
A luz é suficiente, nada forte.
O ambiente, apesar da gravidade da situação, é ameno, talvez pela ordem em que decorrem as tarefas.
Todos parecem competentes e conhecedores das regras deste trabalho e da equipa.
Finalmente estão a retirar o que parece ser um fato de escafandro.
O fato, conforme se separa do corpo do indivíduo, vai desaparecendo no ar.
Dissolvido completamente, depois de retalhado em partes e partículas cada vez mais pequenas.
Pronto - desfez-se todo!
Os limos e as algas parecem tomar vida e seguir caminhos desconhecidos, levados por outros enfermeiros que acorrem para esse trabalho, específicamente.
O indivíduo, muito pequeno em relação ao tamanho do fato, parece acordar.
Está muito espantado mas também muito atento às instruções que vai percebendo.
O seu coração é tocado e vai batendo mais forte.
Outros, em situação semelhante, surgem aos meus olhos.
É uma sala enorme cheia de camas.
Alguns levantam-se e vão descobrir a sua própria rota.
Outros apenas vão melhorando.
Todos serão viajantes.

publicado por eva às 15:31

link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Segunda-feira, 26 de Junho de 2006

Vida e profissão

26 de junho de 2006

Fontes de jorros de água.
Flores que voam das suas plantas e vão banhar-se nas águas.
Dos jorros reúnem-se em lagos de água pouco profunda, entre os tons transparente (ou incolor) e matizes de verdes claros.
O céu, azul, tem nuvens brancas que passam a correr.
É a harmonia da natureza.
Lembro então pessoas que me são queridas por serem família próxima ou por serem amigas.
Imagino-as a gozarem também desta paisagem.
Elas gostariam de poder viver ali mesmo.
Como se um paraíso existisse assim, pronto a ser colhido ou gozado. Assim mesmo à nossa espera.
Mas não, a vida é como uma profissão. Tem um tempo para aprender a trabalhar e um tempo para trabalhar mesmo.
Fazendo render não oito, mas vinte e quatro horas sobre vinte e quatro.
Acordado ou a dormir, o trabalho é para ser conseguido, sendo da sua qualidade a projecção da qualidade de vida.
Da vida eterna, sem princípio nem fim.
Da vida que nos embala os sentidos.
Dessa vida que calibra as nossas opções de cada dia.
A vida que precisa ser bem vivida...

publicado por eva às 10:41

link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Domingo, 25 de Junho de 2006

Violetta Parra # Gracias a la Vida

25 de junho de 2006 

Obrigado à vida que me tem dado tanto
deu-me dois olhos que, quando os abro
perfeitamente distingo o preto do branco
e no alto céu, o seu fundo estrelado
e nas multidões, o homem que eu amo.
.
Obrigado à vida que me tem dado tanto
deu-me o ouvido que, em toda a amplitude,
grava, noite e dia, grilos e canários
martelos, turbinas, latidos, chuviscos
e a voz tão terna do meu bem amado.
.
Obrigado à vida que me tem dado tanto
deu-me o som e o abecedário
e, com ele, as palavras com que penso e falo
mãe, amigo, irmão e luz iluminando
a rota da alma de quem estou amando.
.
Obrigado à vida que me tem dado tanto
deu-me a marcha dos meus pés cansados
com eles andei por cidades e charcos,
praias e desertos, montanhas e planícies
pela tua casa, tua rua e teu pátio.
.
Obrigado à vida que me tem dado tanto
deu-me o coração que todo se agita
quando vejo o fruto do cérebro humano,
quando vejo o bem tão longe do mal,
quando vejo no fundo do teus olhos claros.
.
Obrigado à vida que me tem dado tanto
deu-me o riso e deu-me o pranto
assim eu distingo a felicidade da tristeza,
os dois materiais de que é feito o meu canto
e o canto de todos, que é o meu próprio canto
.
Obrigado à Vida
Obrigado à Vida
Obrigado à Vida
Obrigado à Vida
.
de Violetta Parra
( Trad. de F.L. )
.

publicado por eva às 17:44

link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Sábado, 24 de Junho de 2006

Temas de discussão

24 de junho de 2006

Uma cama de casal, colcha branca com um ramo de flores azuis ao centro.
Uma região branca no planeta, com flores e montanhas pelo meio e bordas externas. O mar à volta.
A guerra prepara-se lenta e objectiva, como o felino espera a presa frágil que vê ao longe.
Outros países gesticulam e discutem em preguiças administrativas os assuntos que deveriam tomar em mãos.
A guerra finge que é boato.
Os países interessados adestram os seus preparativos com denodo e tão meticulosamente que só alguns reparam no paralelo. E estranham.
A cama ainda está feita à espera dos esposos.
Lá fora acendem-se discussões de futebol e músicas alegres e alusivas que distraem a atenção.
Vêm chuvas em pleno Verão e ninguém estranha. Tudo se justifica.
É tão mais simples permanecer na preguiça.
Preguiça de atitudes, de ideias.
E de pronto chegamos à preguiça moral.
A ética, o direito e o dever são apenas mais temas de discussão.
Muito se discute.
Resta saber se é para manter atitude ociosa.
Ou se é a própria mente que apenas consegue ser inútil.

publicado por eva às 16:24

link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Sexta-feira, 23 de Junho de 2006

Obrigado, estou bem...

23 de junho de 2006

Almoço! Está na hora de acordar.
Cuidado que está ao contrário na cama. Isso... a cabeça já está na almofada.
- Trouxe o almoço. Está preparado para comer?
Ah, é verdade, falta subir a cabeceira da cama. Pronto... melhor.
- Vou dar a sopa. Tem bocadinhos pequenos de cenoura e salsa, portanto o que encontrar é para mastigar. Isto se gosta de cenoura e salsa.
O prato, hoje, é de peixe com três qualidades de puré: batatas, cenoura e bróculos.
A seguir a fruta.
Os remédios já foram.
Está muito calor aqui. O melhor é abrir a janela.
Tudo ficou como meia hora antes. Como se não tivesse acontecido nada.
A droga ultrapassa a vida.
A vista foi-se ou já não era. Os olhos são lindos, castanhos e até têm algum brilho.
De raça indiana. Deve ter sido um homem bonito.
Agora fica-se inerte até o suor, que escorre sempre, o empurrar para mudar de posição.
Está ligado à cama e ao hospital.
As drogas da rua adoentaram-lhe o corpo ainda jovem - trinta anos, talvez.
Tudo nele parece adormecido - sem memória.
Mas à minha saída diz, sem mexer:
- Obrigado, estou bem...
tags: ,

publicado por eva às 17:02

link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Quinta-feira, 22 de Junho de 2006

Dia de festa

22 de junho de 2006

Pela terra, pelo céu, pelo deserto, pelas águas faz-se uma travessia de pássaros.
Chegámos e estamos no meio de areia bem dourada pela força do Sol.
A cordilheira à frente está cheia de grutas, iluminadas apenas pela luz natural. Pessoas, famílias, negociantes de toda a espécie vivem ali.
Vem um bebé ao colo e uma criança pela mão.
Uma mãe vem mais atrás, logo seguida por sete ou oito crianças em idade escolar.
A seguir vêm dezenas de raparigas muito novas e cheias de pressa.
Vão olhando receosas para trás.
Um vulto enorme ergue-se, maior que a montanha, mais perto de nós.
Está admirado e depois torna-se ameaçador, mas fica imóvel.
Todos os outros lavam-se num lago cheio de estrelas, em pleno dia.
E prosseguem em marcha ordenada.
Chegam a um sítio onde, conforme vão entrando, flores se espalham pelo chão, à sua volta e redor, pelo ar.
Parece dia de festa.
Os mais pequenos tentam apanhá-las nas mãos.
Os mais velhos esperam, cautelosos.
Mas é verdade!
É mesmo dia de festa... e de júbilo.
tags: ,

publicado por eva às 22:51

link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Quarta-feira, 21 de Junho de 2006

A estrada

21 de junho de 2006

Uma escada escura e algo suja.
Uma porta com vidro, em sistema de guarda-vento, dá acesso a um hall.
As paredes outrora brancas estão cinza encardida do tempo.
Um balcão de recepção e algumas cadeiras de madeira.
Lembra a época da 2ª Grande Guerra e posterior.
Tudo modesto e vazio.
Vou ter a uma sala cheia, mesmo a abarrotar, de crianças pequenas. Não têm mais de 5 a 7 anos.
Ao fundo, junto às janelas (há várias) estão camas-berço e bebés a dormir.
Todos estão com blusa e saia/calção cinza claro. Os bebés em camisa, da mesma cor.
As crianças parecem esperar - não percebo o quê.
Abro a porta e ficam espantadas a olhar para mim. Completamente paralisadas.
Começo a lavá-las em pequenas tinas de água e a vestir-lhes roupas brancas e perfumadas.
Bem penteados e arranjados, pego nos bebés ao colo e dou bolinhos de manteiga às crianças.
Saímos todos. A estrada é larga e a subida íngreme.
Chegamos a um portão enorme que se abre mal nos aproximamos.
Entram todos e ficam num largo, com chafariz ao meio.
Os mais velhos levam agora os bebés.
O céu que os ilumina agora é rosa.
O chão tem estrelas que não se deixam agarrar.
Na antiga sala, uma mulher abre a porta.
Só pétalas brancas no chão.
Grita pelo que não entende.
Sai a correr.
Sózinha.

publicado por eva às 22:15

link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

. ESCRITOS de EVA

Bem vindos! Namastê!

. Reflexão

Aquilo que pensas ser o cume é apenas mais um degrau - Séneca

. mais sobre mim

. Junho 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


. pesquisar

 

. links

. Alguns favoritos (mais em Ver Perfil)

. A Casa do Passal - Cabana...

. Aristides de Sousa Mendes...

. Maria João Brito de Sousa...

. Sophia de Mello Breyner A...

. Mercedes Sosa

. Jalal Rumi # A evolução d...

. Cecília Meireles # A arte...

. Cecília Meireles # Cântic...

. Teilhard de Chardin # O M...

. Natália Correia # Ó Véspe...

. tags

. todas as tags

. Simpatias recebidas

@@@@@@@@@@@@@@@ Campanha da Amizade, amizade de Aida Nuno @@@@@@@@@@@@@@@ É um blog muito bom, sim senhora! , amizade de Coffee Cup @@@@@@@@@@@@@@@ Prémio Dardos, amizade de Lady Magenta, poetaporkedeusker, Velucia @@@@@@@@@@@@@@@ Blog de Ouro, amizade de poetaporkedeusker, Maria José Rijo, Velucia @@@@@@@@@@@@@@@ Prémio Magic Blog, amizade de Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Prémio Seu Blog tem Néctar, amizade de poetaporkedeusker @@@@@@@@@@@@@@@ Prémio Mimo Samoga, amizade de poetaporkedeusker @@@@@@@@@@@@@@@ Prémio Medalha de Ouro, amizade de poetaporkedeusker @@@@@@@@@@@@@@@ Selo Best Blog, amizade de Alice Alfazema
blogs SAPO

. subscrever feeds